Segunda feira, 10 de dezembro de 2018 Edição nº 15114 06/12/2018  










AUXÍLIO/MORADIA Anterior | Índice | Próxima

Tema será discutido ainda este ano

REYNALDO TUROLLO JR.
Da Folhapress – Brasília

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, disse ontem que o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) deve discutir uma nova regulamentação para o auxílio-moradia ainda neste ano, provavelmente na última sessão antes do recesso, no dia 18.

"Estamos fazendo os estudos", disse Toffoli, que também preside o CNJ.

O auxílio-moradia, de R$ 4.377 por mês, era pago desde 2014 a todos os membros da magistratura por força de uma decisão liminar (provisória) do ministro Luiz Fux e foi revogado por ele próprio no último dia 26.

A iniciativa de Fux veio no mesmo dia em que o presidente da República, Michel Temer, sancionou um reajuste de 16,38% para o salário dos ministros do Supremo, cumprindo um acordo que havia sido firmado em agosto entre Toffoli e Temer.

Com o reajuste, o salário dos ministros do STF passou de R$ 33,7 mil para R$ 39,3 mil. Automaticamente, os salários de todos os juízes do Poder Judiciário federal subirão.

Há também um impacto nos tribunais estaduais e nos demais Poderes (Legislativo e Executivo), porque o salário do ministro do STF é o teto do funcionalismo. Esse impacto foi calculado por técnicos do Congresso em cerca de R$ 4 bilhões por ano.

Na decisão que revogou o auxílio-moradia que era pago de forma irrestrita -inclusive para quem tinha casa própria -, Fux determinou que o CNJ e o CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) façam uma nova regulamentação para o benefício, deixando o assunto em aberto.

Entidades como a AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros) e a ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República) veem uma possibilidade de o auxílio voltar, ainda que de forma mais restrita.

Uma das possibilidades de regulamentação discutidas em grupos informais de juízes e procuradores é o pagamento do auxílio em cidades onde não houver residência oficial (possibilidade prevista na Lei Orgânica da Magistratura) e onde o custo de vida for mais alto (como previsto na legislação sobre o Ministério Público).

As entidades esperam que, seja como for, a nova regra contemple igualmente juízes e membros do Ministério Público, conforme Fux afirmou em sua decisão.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:39 Tribunal de Contas manda dois deputados pagarem R$ 16,6 milhões
18:37 “Tem muita coisa errada na saúde”, diz Mauro Mendes
18:35 TCE suspende contratação da empresa de iluminação pública
18:31 MP pede reprovação das contas de Nelson Barbudo
18:30 90% do funcionalismo recebeu ontem


18:20 Além do Mais Médicos
18:20 Luiz Possas assume Saúdede Cuiabá
18:20 BOA DISSONANTE
18:19 Clássico vovô
18:19 Nem tanto ao mar nem tanto ao céu
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018