Segunda feira, 22 de abril de 2019 Edição nº 15114 06/12/2018  










MEIO AMBIENTEAnterior | Índice | Próxima

Pesquisadores pedem que brasileiros comam menos carne em prol do planeta

HELENA BORGES
Especial para o DIÁRIO

O mundo deverá ter em torno de 10 bilhões de pessoas em 2050, e a ONG World Resources Institute (Instituto de Recursos Mundiais, em tradução livre) traçou algumas orientações para que seja possível “alimentar a todos sem destruir o planeta”. Para os brasileiros, especificamente, há uma proposta de mudança drástica de hábitos: cortar o consumo de carne vermelha para praticamente um terço do que se come atualmente.

Os brasileiros foram os que mais consumiram carne vermelha no mundo, de acordo com o levantamento: cerca de 140 calorias diárias por pessoa em 2010. A meta é limitar a 52 calorias diárias por pessoa até 2050.

Essa e outras dicas estão reunidas no estudo “Criando um futuro alimentar sustentável - Um menu de soluções para alimentar quase 10 bilhões de pessoas até 2050”, que foi lançado ontem na Conferência do Clima da ONU (COP24), na Polônia. Produzido em parceria com o Banco Mundial, a ONU Meio Ambiente e outras agências de pesquisa, o estudo afirma que um dos principais meios de se mitigar o impacto do agronegócio no meio ambiente seria limitar o consumo de carne vermelha. Isso ajudaria a conter a emissão de gases de efeito estufa e a exploração da terra pela pecuária.

Se no Brasil significa uma redução de 63% na porção de carne, para toda a população da África, do Oriente Médio e da Ásia, no entanto, seria possível manter ou até aumentar o consumo atual.

Segundo os especialistas, se continuar no ritmo atual, a demanda por carne vermelha deve apresentar um crescimento de 88% entre 2010 e 2050. Limitar o consumo a 52 calorias diárias por pessoa significaria admitir um aumento de 32%. “Consideramos isso eminentemente praticável, mas as mudanças culturais e comportamentais exigidas serão desafiadoras”, escrevem os autores.

Maureen Santos, organizadora do estudo Atlas da Carne, e que não fez parte da pesquisa do WRI, explica que para produzir 1 kg de carne são consumidos, em média, 100 mil litros de água.

“Cada alimento tem impactos concretos na vida das pessoas e no meio ambiente, que não são levados em conta quando se come um pedaço de carne”, explica. “ A grande maioria da carne consumida é produzida de forma industrial, em uma cadeia totalmente insustentável. O debate sobre consumo de carne ainda é incipiente no Brasil, mas muitos já perceberam as conexões entre expansão da pecuária e os impactos socioambientais, como aumento do desmatamento, da demanda de água e das emissões de gases de efeito estufa”, disse.

Segundo o relatório do WRI, a cadeia de produção pecuária ocupa dois terços da terra agrícola global e contribui com aproximadamente metade da produção agropecuária. O estudo também indica que produtores rurais evitem “o desvio de culturas comestíveis e de terras para produção de bioenergia”. Plantações de cana de açúcar e de milho, por exemplo, costumam ser desviadas para a produção de biocombustíveis, dependendo do preço de mercado.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




20:14 A reforma da Previdência
20:13 Benefícios fiscais: concessão e requisitos
20:11 Quadro de instabilidade
20:10
20:06 Miss Brasil pode não ser realizado em 2020 por falta de acordo entre Polishop e Band


20:06 Segunda temporada da série de comédia "Samantha!", com Emanuelle Araújo, chega hoje à Netflix
20:05 Maisa estreia talk show inspirada em Hebe
20:05 Programa Mais Você estreia nova competição culinária com amadores copiando chefs famosos
20:04 Tributo ao Rei: Nando Reis lança disco que recupera músicas menos conhecidas de Roberto Carlos
20:03 Ministro chama de mordaça censura a sites
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018