Quarta feira, 23 de janeiro de 2019 Edição nº 15099 09/11/2018  










Anterior | Índice | Próxima

Tempo de transição

Mesmo com algumas idas e vindas, naturais e inevitáveis em períodos de articulação por parte de gestores públicos, o processo de transição do atual para o próximo governo, em âmbito federal, tem transcorrido sem maiores sobressaltos. As desavenças eleitorais, acirradas pela polarização na disputa nacional, não se transferiram para a crucial transição de governos. Esse é um fato positivo para o país, que precisa definir logo e colocar em prática questões prioritárias para sair da crise.

O clima de civilidade e de abertura para o debate prevalece também na interação entre as equipes do atual e do futuro governo mato-grossense, com a equipe de transição do governador eleito Mauro Mendes (DEM) trabalhando com a equipe nomeada pelo atual governador Pedro taques (PSDB). Em Mato Grosso, às voltas com sérios problemas de caixa, que tendem a se agravar se forem adiante com as pressões de corporações influentes de servidores e do agronegócio. A afinidade é decisiva para acenar com um mínimo de governabilidade para o próximo ocupante do Paiaguás.

Esse tipo de preocupação esteve presente também, quarta-feira, na primeira reunião de trabalho entre o presidente da República, Michel Temer (MDB), e seu sucessor, Jair Bolsonaro (PSL). O governo federal enfrenta, igualmente, déficits constantes e pressões salariais das categorias de maiores ganhos.

É positivo, portanto, que o presidente eleito tenha reafirmado ontem o respeito às instituições, em visita ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli. E, ao mesmo tempo, que tenha relativizado manifestação de seu futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre a necessidade de dar uma "prensa" no Congresso para a aprovação da reforma da Previdência. Numa democracia, como a definida pela Constituição brasileira, os poderes precisam atuar com independência e de forma harmônica para que o país avance.

Este é o momento de os governos que saem e os que estão por assumir agirem com o máximo de responsabilidade fiscal, para não prejudicarem ainda mais o país e os Estados. É o que tende a ocorrer, por exemplo, com os aumentos salariais engendrados via parlamentos, como o dos ministros do STF, aprovados pelo Senado, e que provocam uma cascata de reajustes em todas as instâncias da federação. Quem perde com esse tipo de iniciativa é a sociedade de maneira geral, pois fica privada de serviços básicos, como segurança e saúde, não os governantes e parlamentares, que, como sempre, estão apenas de passagem pelos cargos.



Esse é o momento de os governos que saem e os que estão por assumir agirem com o máximo de responsabilidade fiscal, para não prejudicarem ainda mais o país e os Estados



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




20:23 Governo mantém taxação do agronegócio e espera arrecadar R$ 1,46 bilhão
18:33 TCE define conselheiro que vai relatar contas de Mauro Mendes
18:32 Emenda exclui agência de projeto que prevê extinções no Governo
18:31 Servidores públicos invadem plenário da AL
18:05 Decreto prioriza salários, poderes e serviços essenciais


18:00 Defesa dos direitos individuais
17:59 Agronegócio não é o vilão
17:58 A raiz da crise fiscal
17:57 Ferramenta desvirtuada
17:54
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018