Quarta feira, 14 de novembro de 2018 Edição nº 15083 17/10/2018  










CÂMARAAnterior | Índice | Próxima

Projeto prevê que imposto pago pelo Uber fique em Cuiabá

Da Reportagem

Os vereadores de Cuiabá aprovaram, durante sessão plenária ontem, terça-feira (16), o projeto do Executivo que altera o Código Tributário do Município e prevê que o imposto pago pelos serviços de transporte individual de passageiros via aplicativo, como Uber e 99POP, seja recolhido em Cuiabá.

Por intermédio do vereador Luis Claudio (PP), líder do prefeito na Câmara, foram 19 votos a favor do projeto, 3 votos contra e uma abstenção. Apenas os vereadores Diego Guimarães (PP), Abilio Junior (PSC) e Felipe Wellaton (PV) votaram contra e Gilberto Figueiredo (PSB) se absteve de votar a matéria.

De acordo com o projeto, fica estabelecida a alíquota de 2% do Imposto Sobre Serviços (ISS) para os serviços de transporte contratados por intermédio de aplicativos. Com isso, o imposto já pago pelos motoristas de aplicativo será recolhido em Cuiabá.

Além disso, o projeto estabelece alíquota de 2,5% para os serviços de administração de consórcio para prestadores estabelecidos em Cuiabá - e não mais em 5%, como é cobrado atualmente. De acordo com Luis Claudio, a medida vem a beneficiar o Município, uma vez que representará um incremento de receita para os cofres públicos.

“O imposto do Uber, por exemplo, é cobrado em cima dos 20% que a empresa recolhe dos motoristas e que ia para São Paulo. Agora, esse imposto vem para Cuiabá e se reverterá em benefícios para a nossa cidade”, disse o vereador.

Como complemento, o Executivo encaminhou ainda o projeto que regulamenta o serviço de transporte de passageiros, estabelecendo normas e deveres dos prestadores de serviço. O projeto deverá entrar em pauta para análise dos vereadores ainda nesta semana.

“A Mensagem feita a quatro mãos pelo Executivo e membros dos aplicativos já está nessa Casa e entrará em pauta em regime de urgência especial na quinta-feira e iremos aprovar esse projeto para finalizar essa questão tributária no nosso Município”, disse Luis Claudio.

Conforme o projeto que ainda entrará em pauta, só poderão explorar a atividade de serviço de transporte individual de passageiros aqueles que estiverem cadastrados junto à Secretaria de Mobilidade Urbana e cumprirem uma série de requisitos.

Entre eles está à manutenção das condições do veículo usado, habilitação do condutor, além do pagamento de R$ 187,19 de taxa de fiscalização, que terá validade por um ano.

Já a empresa intermediadora do serviço, como a Uber e 99POP, terá de pagar uma taxa de licença de funcionamento, que será cobrada a partir do número de quilômetros rodados pela frota de veículos, multiplicado por 5 centavos, conforme estabelecido no projeto. O valor total dessa taxa deverá ser pago mensalmente à prefeitura.

Tanto a cobrança do ISS, quanto a regulamentação do serviço, passam a valer somente após a sanção do prefeito Emanuel Pinheiro.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:02 Produtores não descartam protestos na Capital
18:01 Servidores públicos vão voltar a trabalhar 8 horas por dia
18:01 Sem RGA, servidores vão paralisar as atividades por 24 horas
18:01 Ex-secretário de Administração Geraldo de Vitto é condenado
18:01 Mauro Mendes pede corte aos Poderes


17:46 Nossa! Minha cidade sumiu
17:45 Neri Geller é`Preso por fraude no Ministério da Agricultura
17:45 BOA DISSONANTE
17:44 O recado foi dado
17:43
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018