Segunda feira, 12 de novembro de 2018 Edição nº 15061 14/09/2018  










ARARATHAnterior | Índice | Próxima

Pericia aponta que Maggi não apagou mensagens do celular

Da Reportagem

O ministro da Agricultura Blairo Maggi protocolou ontem, no Supremo perícia complementar atestando que ele não apagou mensagens de seu celular – suspeita levantada por investigadores da Operação Ararath, da qual Blairo é o alvo principal por supostos crimes de corrupção a ele atribuídos quando ocupava o cargo de governador de Mato Grosso, em 2009. O documento, subscrito por um grupo de quatro peritos do Instituto Brasileiro de Perícias, mostra que Maggi não tinha instalado em seus dispositivos a ferramenta WhatsApp Web Desktop, única forma de excluir mensagens remotamente. “Ou seja, as mensagens foram apagadas depois da apreensão do aparelho”, afirma a defesa do ministro.

O celular de Blairo foi apreendido pela PF em 14 de setembro de 2017 no apartamento onde o ministro reside, em Brasília. A busca na casa de Blairo ocorreu por ordem judicial, que acolheu pedido da Procuradoria-Geral da República.

Raquel Dodge, chefe do Ministério Público Federal, atribui a Blairo nos autos da Operação Ararath dois crimes de corrupção. O então governador de Mato Grosso, segundo a investigação, seria o cabeça de um esquema para a compra de uma cadeira de conselheiro do Tribunal de Contas de Mato Grosso. Ele teria articulado, em 2009, para a saída de um conselheiro e sua substituição por um aliado político.

Cheques e uma nota promissória de R$ 4,5 milhões embasam a denúncia por corrupção ativa contra o ministro. Os valores, segundo a Procuradoria-Geral da República, teriam sido pagos pelo dono do ‘posto da propina’ de Mato Grosso a um então conselheiro da Corte de Contas, Sérgio Ricardo.

Quando foi denunciado, Blairo reagiu com ‘profunda estranheza e indignação, uma vez que o mesmo fato já foi objeto de investigação em 2014 e arquivado a pedido da própria Procuradoria’. Ele se referia ao inquérito 3842, da relatoria do ministro Dias Toffoli, arquivado pela 2.ª Turma do STF por ‘falta de provas’.

Blairo disse, na ocasião, que a ‘postura da Procuradoria Geral da República é uma violência contra a competência do ministro Dias Toffoli e desprestígio absoluto à autoridade de decisão já proferida pela 2.ª Turma do Supremo Tribunal Federal’. Um ponto importante da investigação se refere a um celular de Blairo, que a PF recolheu em setembro do ano passado.

Investigadores apontaram uma suposta exclusão de mensagens do aparelho. Para rechaçar essa linha de investigação, a defesa do ex-governador pediu um laudo ao Instituto Brasileiro de Perícias – núcleo privado de metodologia forense, formado por uma rede de laboratórios especializados em exames periciais sobre tecnologia da informação, engenharia, fonética, sons e imagens, documentoscopia, grafoscopia, economia e finanças.

O laudo, protocolado no gabinete do ministro Luiz Fux, relator da Ararath no Supremo, atesta que no celular do ministro não havia sido instalada a ferramenta que permitiria a ele eliminar mensagens à distância.

Segundo o advogado Fábio Galindo, constituído pelo ministro Blairo Maggi, ‘o fato é gravíssimo e merece imediata apuração’. “O caso revela descuido e erro crasso de procedimentos ou o que é muito pior, má-fé e prova forjada”, sustenta Galindo. “Acredito que a Procuradoria-Geral da República, sempre firme no cumprimento de seu dever, vai instaurar a competente investigação e apurar a autoria desse gravíssimo fato. É fundamental que se esclareça rapidamente o ocorrido, que sem dúvida coloca em xeque a credibilidade da investigação.”

O ministro da Agricultura disse, por meio de sua assessoria, que ‘desde o princípio vem rechaçando veementemente a acusação’. Ele destacou que já disponibilizou todas as senhas de seu celular às autoridades. “A perícia mostra o que sempre declarei. Agora, espero que a Justiça tome as devidas providências, apure e responsabilize a falsa acusação que me foi imputada.”



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:47 JBS delatou mais de R$ 30 mi em esquemas na Agricultura
18:47 Governo paga aposentados, os da ativa recebem 2ª
18:46 PF volta a prender Joesley Batista, dono da JBS
18:45 Neri Geller é preso pela Federal
18:44 Homem é preso suspeito de abusar menina de 4 anos


18:44 Justiça condena homem a 23 anos de prisão
18:43 Homem é preso após atacar delegado com estilete
18:42 Ampliar acesso a arma não reduz conflito com morte, dizem estudos
18:40 Governo diz não ter como pagar parcelas da RGA
18:39 BOA DISSONANTE
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018