Segunda feira, 19 de novembro de 2018 Edição nº 15057 07/09/2018  










Anterior | Índice | Próxima

Paquetá supera desconfiança na base do Flamengo

ALBERTO NOGUEIRA e LUIZ COSENZO
Da Folhapress – São Paulo

Quem vê hoje Lucas Paquetá, 21, aguentando os trancos e pancadas dos adversários não imagina que há cinco anos o meio-campista do Flamengo tinha seu futuro no futebol colocado em xeque exatamente por seu físico.

Convocado pelo técnico Tite para os amistosos da seleção brasileira contra Estados Unidos e El Salvador, marcados para os dias 7 e 11 de setembro, respectivamente, o jovem ficou quatro meses afastado da equipe juvenil do Flamengo para realizar um trabalho especial com o departamento de fisiologia para ganhar massa muscular e altura.

Deu resultado. O garoto, que aos 16 anos media 1,52 m, ganhou 30 centímetros e chegou aos atuais 1,82 m.

"Sabíamos da qualidade do Lucas Paquetá e que tínhamos que desenvolvê-lo fisicamente para no futuro ser um potencial jogador do Flamengo. Trabalhamos ano a ano e, quando chegou na época do juvenil, o tiramos do campo por quatro meses e fizemos um trabalho para ele conseguir a força que tem hoje", disse Carlos Noval, diretor executivo do Flamengo.

"Ele deu uma espichada muito grande e muito rápida, em cerca de um ano, e se desenvolveu bastante", acrescentou Noval, que exerceu o cargo de diretor nas categorias de base do time rubro-negro de 2010 a março deste ano.

Treinador da conquista do ouro olímpico em 2016, Rogério Micale lembra das dificuldades enfrentadas por Paquetá durante o Sul-Americano sub-20, no início de 2017. Nesse período, o meio-campista já tinha dado sua "espichada", mas ainda enfrentava dificuldade nos duelos contra outros meios-campistas.

"Ele não teve um bom rendimento comigo. Teve dificuldade para jogar contra as seleções sul-americanas, que têm linhas encurtadas, muito próximas, e jogam um futebol mais pegado. Os meninos desciam a porrada nele. Porque ele é abusado com a bola nos pés", conta o técnico.

Lucas Paquetá chegou à seleção de base após se tornar um dos principais jogadores da equipe rubro-negra na conquista do título da Copa São Paulo de futebol júnior de 2016. Ele marcou quatro gols na campanha, três a menos do que o seu companheiro Filipe Vizeu, vice-artilheiro da competição.

A qualidade para se aproximar dos atacantes e o faro de gol não foram as únicas qualidades mostradas por ele no Flamengo. Versátil, atua como segundo volante, terceiro homem do meio de campo e até como atacante, como na decisão da Copa do Brasil de 2017, quando a equipe carioca foi vice-campeã após perder nos pênaltis para o Cruzeiro.

"Ele sempre mostrou isso, qualidade para atuar mais à frente e também como segundo volante, fazendo a saída de bola, já que tem capacidade de organização de jogo", diz o treinador Zé Ricardo, hoje no Vasco, que trabalhou com Paquetá no sub-15, no sub-20 e no profissional do clube rubro-negro.

"Já vi grandes atuações dele jogando no ataque, aberto ou centralizado. Isso só o valoriza e demonstra sua técnica e inteligência", completou.

A facilidade em atuar em diferentes posições ajudou Paquetá a despontar no time profissional no ano passado, e chamou a atenção de Tite.

Para esse novo ciclo da seleção brasileira com vistas à Copa de 2022, no Qatar, ele aparece como opção para exercer a função que foi de Paulinho na Copa do Mundo da Rússia.

Mesmo nunca tendo entrado em campo pela seleção principal, ele já esteve presente na lista dos 12 jogadores suplentes do time de Tite para o Mundial.

"É uma posição que eu sempre joguei desde a base. Mas tenho que entrar pronto para dar meu melhor em qualquer parte do campo", disse ele, que, assim como seu irmão Matheus, 23, jogador do Avaí, ganhou o apelido de Paquetá em homenagem ao bairro em que cresceu, a ilha de Paquetá, a cerca de 17 km do centro do Rio de Janeiro.

"Temos que pensar passo a passo. Primeiro ser convocado, deixar uma boa impressão, para voltar nos próximos amistosos. A Copa ainda está longe, tenho esperança, mas preciso viver o hoje para alcançar esse objetivo", afirmou.

Na terça, Paquetá fez uma atividade mais leve com o preparador físico Fábio Mahseredjian, já que atuou por 90 minutos na derrota do Flamengo para o Ceará por 1 a 0, no último domingo. Coutinho, que também disputou o jogo inteiro do Barcelona contra o Huesca, realizou o mesmo trabalho, assim como Dedé, Felipe e o lateral-direito Éder Militão - últimos a se apresentarem.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:25 Reinaldo reclama contra arbitragem
18:24 Paquetá supera desconfiança na base do Flamengo
18:24 Cuiabá pega o Botafogo-SP por uma vaga na final do campeonato da Série C
18:24 Brasil inicia testes para Copa de 2022
18:23 Liga das Nações dá chance a nanicos


18:23 Mundial equipara premiação entre homens e mulheres
18:22 Galo renova com Ricardo Oliveira
18:22 Técnico reconhece erros e absorve derrota após 9 jogos
18:21 Jair Ventura é anunciado pelo Corinthians
18:20 Um governador em sintonia com o povo
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018