Terça feira, 25 de setembro de 2018 Edição nº 15057 07/09/2018  










SEMICONFINAMENTOAnterior | Índice | Próxima

Cresce número de pecuaristas que adotam técnica no Estado

Da Reportagem

Os pecuaristas mato-grossenses passaram a investir mais em semiconfinamento nas últimas safras, conforme aponta o Panorama da Pecuária 2018 realizado pela Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), em parceria com o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). Enquanto em 2017 o percentual de pecuaristas que utilizava esse sistema de engorda foi de 33%, em 2018 mais de 38% investiram na suplementação do gado.

Apesar de a engorda a pasto ainda deter a maior participação na opção de terminação em Mato Grosso, a busca pela suplementação do rebanho tem crescido, favorecendo o melhor desempenho dos animas. Dados do IBGE mostram que em 2017, por exemplo, o gado mato-grossense foi o mais pesado do Brasil, gerando em média 266,76 quilos de carcaça.

No Panorama da Pecuária 2018, realizado durante o Acrimat em Ação de fevereiro a junho deste ano, foi constatado que tanto a terminação exclusivamente a pasto caiu de 57% para 54,5% quanto o confinamento saiu de 9% para 7,35%, demonstrando que a técnica do semiconfinamento tem caído no gosto do produtor.

Para o diretor-técnico da Acrimat, Francisco Manzi, o aumento do semiconfinamento pode ser explicado pela busca na redução no tempo médio de abate do animal. Enquanto o gado no sistema a pasto leva, em média, 28 meses após desmama para ser abatido, no semiconfinamento este tempo pode chegar à metade, ou seja, 14 meses.

“Além disso, o pecuarista esbarra no aumento do preço dos insumos para o confinamento, como o milho, por exemplo, contrastando com o preço da arroba que não tem remunerado os custos desse sistema. O risco é de um impacto negativo na rentabilidade do produtor. Hoje o pecuarista tem pressa no abate e precisa manter a qualidade do animal. Nesse cenário, o semiconfinamento acaba se tornando uma alternativa mais viável para a engorda do animal”, analisa Manzi.

Na prática, os pecuaristas aproveitam o período chuvoso para a engorda a pasto, mensurando o peso do animal com mais regularidade para, no período da seca, investir na suplementação e, desta forma, padronizar o rebanho em termos de peso e acabamento de carcaça.

De acordo com o Imea, a tendência é que mais produtores passem a utilizar a técnica de semiconfinamento nos próximos anos, entregando animais mais pesados em menos tempo, sem ter que esbarrar no custo de produção mais elevado.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· O semi confinamento, traduzido como leva  - acir carlos ochove




18:25 Reinaldo reclama contra arbitragem
18:24 Paquetá supera desconfiança na base do Flamengo
18:24 Cuiabá pega o Botafogo-SP por uma vaga na final do campeonato da Série C
18:24 Brasil inicia testes para Copa de 2022
18:23 Liga das Nações dá chance a nanicos


18:23 Mundial equipara premiação entre homens e mulheres
18:22 Galo renova com Ricardo Oliveira
18:22 Técnico reconhece erros e absorve derrota após 9 jogos
18:21 Jair Ventura é anunciado pelo Corinthians
18:20 Um governador em sintonia com o povo
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018