Quinta feira, 20 de setembro de 2018 Edição nº 15056 06/09/2018  










Anterior | Índice | Próxima

Custo da incerteza

Numa eleição de características inéditas como a de 2018, marcada acima de tudo pela indefinição, é natural que o mercado financeiro demonstre níveis elevados de inquietação. Com isso, acaba dando margem a distorções, particularmente numa área especulativa como o câmbio. Ainda que tenda a baixar mais adiante, uma cotação do dólar acima de R$ 4, como a registrada nos últimos dias, preocupa sobretudo pelo potencial de influenciar os preços de maneira geral, pressionando a inflação. Até uma definição maior sobre o quadro eleitoral, o que deverá ocorrer nos próximos dias, com o desenrolar do horário de propaganda obrigatória no rádio e na televisão, os brasileiros em geral precisam preservar a tranquilidade. Nessas circunstâncias, só tende a haver ganhos para quem conhece a fundo o mercado financeiro.

Diante das turbulências, é importante que as instituições, a começar pelo Judiciário, se empenhem em garantir mais clareza ao processo eleitoral. Os brasileiros precisam de segurança para identificar quais candidaturas estão de fato aptas a disputar votos. O país nunca havia passado por uma situação em que um candidato à Presidência da República preso depois de condenado em segunda instância aparecesse à frente nas pesquisas. E, poucas vezes, os levantamentos indicaram um percentual tão elevado de eleitores sem saber que decisão tomar no dia do pleito, o que amplia ainda mais as incertezas.

Sob o ponto de vista dos candidatos à Presidência da República, pelo menos os com chance real de chegar ao segundo turno, é urgente que possam explicitar de forma detalhada o que pretendem fazer, se eleitos, para enfrentar a crise brasileira. Essenciais em todas as áreas, as definições são urgentes especialmente no plano econômico, no qual predominam, até agora, ideias vagas e genéricas. A clareza, no caso, é fundamental para que os eleitores – e o mercado – troquem os sobressaltos pela certezas.

Os eleitores, especificamente, precisam se mostrar atentos a quais dos pretendentes a ocupar o Palácio do Planalto a partir de janeiro têm compromissos assumidos com a responsabilidade fiscal. Esse deve ser um propósito de Nação, e não de um ou outro projeto partidário, para que o país possa voltar a ter crescimento com estabilidade econômica e política.



Os eleitores precisam se mostrar atentos a quais dos pretendentes a ocupar o Palácio do Planalto a partir de janeiro têm compromissos assumidos com a responsabilidade fiscal



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· Salvo as possibilidades de manipulação   - acir carlos ochove




19:45 BOA DISSONANTE
19:44 Eduardo Mahon conversa com o intelectual João Antônio Neto
19:43 Os presidenciáveis e a Previdência
19:42 Educação no pré-sal
19:42 Aplicativos: empregado ou não?


19:42 Desafios do envelhecimento
19:41 Custo da incerteza
19:36 Morre aos 92 anos a atriz Beatriz Segall
19:36
19:35 Patrycia Travassos volta à Globo
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018