Quarta feira, 24 de abril de 2019 Edição nº 15050 29/08/2018  










SANTOSAnterior | Índice | Próxima

Empate com Independiente vira derrota

A punição contra o Santos foi anunciada ontem, apesar de o julgamento ter começado na segunda-feira. Em nota, o clube paulista afirmou que irá recorrer

DIVULGAÇÃO
Conmebol culpou o Santos pela escalação irregular de Carlos Sánchez contra o Independiente
Da Folhapress – São Paulo

O Santos foi considerado culpado pela Conmebol pela escalação irregular de Carlos Sánchez contra o Independiente, pelo jogo de ida das oitavas de final da Libertadores. A decisão foi anunciada ontem, apesar de o julgamento ter começado na segunda-feira. Em nota, o clube paulista afirmou que irá recorrer.

Com a decisão, o placar de 0 a 0 na partida de ida foi alterado para 3 a 0 para o Independiente. As duas equipes voltaram a se enfrentar ontem, às 19h30, no Pacaembu.

A polêmica que levou o jogo para o tribunal aconteceu por causa de uma expulsão de Sánchez em 26 de novembro de 2015, na Copa Sul-Americana, quando ele atuava pelo River Plate. O jogador deixou o clube argentino e foi para o futebol mexicano, não cumprindo a suspensão automática em competições da Conmebol. Por isso, não poderia ter jogado no último dia 21.

O Santos escalou o jogador com base no sistema Comet, da Conmebol, que apontava Sánchez como apto para a partida. Os advogados santistas usaram o caso do Lanús na temporada passada, quando a Conmebol deu ganho de causa ao clube após acusação de escalação irregular de Lautaro Germán Acosta. Na ocasião, o Comet foi utilizado para mostrar que não havia problema na inclusão do atleta.

Outro ponto abortado foi o do River Plate. O Santos alegou à Conmebol que a entidade concedesse ao clube no "caso Sánchez" a mesma decisão que tomou envolvendo o jogador Bruno Zuculini, do time argentino. Neste caso, a entidade máxima do futebol sul-americano alegou falta de denúncia de adversários e não puniu o clube argentino por escalação irregular. Zuculini terá apenas que cumprir suspensão ainda nesta edição.

CONSULTA

A diferença para o caso do Santos é que o River consultou a entidade por escrito sobre a condição de jogo do atleta. A organizadora da Libertadores reconheceu um "erro administrativo" no caso e absolveu a equipe argentina. O Santos não enviou ofício à Conmebol para saber se o jogador tinha alguma punição disciplinar antes de escalar Sánchez.

Apesar dos argumentos, os dirigentes do Santos já sabiam ser difícil obter um resultado favorável na Conmebol. A estratégia inicial do advogado Mario Bittencourt, contratado pelo clube brasileiro para o caso, era prorrogar a decisão para depois da realização da partida no Pacaembu. O argumento oficial era não mexer com o estado emocional dos jogadores. Mas na verdade, o Santos queria criar uma confusão jurídica maior para, em caso de vitória por qualquer placar no jogo desta terça, forçar a confederação a aceitar o resultado em campo. Não deu certo.

Em nota, o Santos manifestou seu "descontentamento" com a decisão.

"Não bastasse o estranhar da lenta decisão, a punição publicada não tem o menor embasamento legal ou jurídico. Além do que, pune duplamente o Santos, com a perda do jogo e a manutenção da suspensão do jogador Carlos Sánchez", afirma o clube.

Por fim, a agremiação afirma que "irá a todas instâncias cabíveis, afim de que a justiça sobre o caso seja feita".

O Santos tem cinco dias para recorrer à corte de apelações da Conmebol. O clube sabe que não vai conseguir reverter o resultado nesta instância, mas precisa passar por ela antes de ir à Fifa apelar. Em caso de nova derrota, a última solução seria ir ao CAS (Corte Arbitral do Esporte), na Suíça.

O time alvinegro também compreende que uma nova mudança do resultado da partida de ida, já alterado para 3 a 0, seria controversa por conta da sequência da competição. Por outro lado, o clube pode buscar uma compensação financeira pelo prejuízo ocasionado pela mudança do placar.

Há a preocupação também com a questão da segurança da partida após a decisão da entidade que organiza a Libertadores. O Santos pediu aos seus torcedores que tenham calma. Em caso de qualquer tumulto, a responsabilidade será do clube brasileiro.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:24 De alcova
18:24 Percival terá que devolver R$ 170 mil aos cofres públicos
18:22 Vazamento de delações tem motivação política, diz Taques
18:17 Selma e Nilson Leitão brigam por tempo de TV
18:15 Seis candidatos ainda não prestaram contas


18:15 Kaká chega à Itália sem saber função que exercerá
18:14 Grêmio segue firme na Libertadores
18:14 Richarlison é o substituto de Pedro
18:14 Miguel Borja se diz pronto para aumentar seus números
18:13 São Paulo quer manter ponta sem goleadores
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018