Segunda feira, 10 de dezembro de 2018 Edição nº 15018 14/07/2018  










“MEU NOME É...”Anterior | Índice | Próxima

Filha de Enéas usará bordão e nome do pai em campanha

CAROLINA LINHARES
Da FolhaPress – Belo Horizonte

Além do nome e da ideologia, a pré-candidata do PMB (Partido da Mulher Brasileira) ao Governo de Minas Gerais também passará a dividir com o pai o bordão que lhe rendeu fama: "Meu nome é Gabriela Enéas", dirá na campanha.

A filha do médico e professor Enéas Carneiro, fundador do extinto Prona (Partido de Reedificação da Ordem Nacional), espera que a associação com o pai, morto em 2007, lhe traga votos. Gabriela Guimarães Carneiro terá como nome de urna "Gabriela Enéas, filha do dr. Enéas".

Enéas disputou as eleições presidenciais em 1989, 1994 (quando ficou atrás apenas de Fernando Henrique Cardoso e Lula) e 1998, sendo eleito deputado federal em 2002 com votação recorde de 1,57 milhão de eleitores.

"Com certeza, vamos manter o bordão. Acredito que eu tenho esse direito, né? Sou filha legítima e sou muito parecida com ele", diz à reportagem.

Aos 46, a carioca que dá aulas particulares lançará sua pré-candidatura na segunda-feira (16) em Belo Horizonte. O partido busca a presença do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) no evento.

"Meu pai era amigo de Bolsonaro", diz Gabriela. Mas, ao ser questionada sobre suas preferências e apoios políticos no plano nacional, evita responder: "Estamos conversando. Talvez numa próxima entrevista a gente possa falar de novo sobre esse assunto".

Gabriela afirma que levantará as bandeiras do pai, como o nacionalismo -também presente no discurso de Bolsonaro. "Sou a favor de proteger o patrimônio do povo, a matéria-prima, as riquezas estratégicas. Todos os países ricos defendem a soberania nacional. O dinheiro tem que ficar aqui para que sejamos um país rico."

A pré-candidata diz se inspirar na ideologia de reforma de Enéas para encampar o tema anticorrupção. "Meu pai falava uma coisa que eu concordo muito. Só tem uma maneira de sair da crise: é mudar toda a estrutura do poder. Pessoas jovens têm que entrar na política para sair essa corja."

Rejeitando a classificação de direita ou esquerda, Gabriela diz ser "a favor do bem e da população" e aponta suas divergências com Enéas, associado a um pensamento conservador, autoritário e militarista.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:45 Neurilan Fraga é reeleito para comandar a AMM
18:45 Seis advogados disputam vaga de juiz titular do TRE
18:45 DEM se reúne com Mauro Mendes na próxima semana
18:44 Taques regulamenta mudanças no Prodeic
18:42 Governo define escalonamento até segunda-feira


18:14 Festa da literatura mato-grossense
17:52 MP pede reprovação das contas da deputada Janaína
17:52 BOA DISSONANTE
17:51 Juízes e delegados globalizados
17:50 Desserviço
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018