Quarta feira, 13 de novembro de 2019 Edição nº 15006 28/06/2018  










CINEMAAnterior | Índice | Próxima

Filme 'Os Incríveis 2' quebra tabus

Nova animação da Disney-Pixel mostra que homem cuidar da casa não é mais tabu

LEANDRO VIEIRA
Da Folhapress – São Paulo

A vida real tem as suas Mulheres-Elásticas, como a heroína do filme "Os Incríveis 2", que chega nesta quinta-feira (28) aos cinemas. Na animação, ela salva o mundo enquanto o marido cuida da casa e dos filhos.

A pesquisadora Evelin Xavier, 34 anos, vive assim com o marido, Edson, há cerca de um ano. "Nós dois fazíamos a nossa casa de escritório, mas chegou um momento em que eu precisei trabalhar fora. Aí ele ficou como dono de casa."

Evelin conta que todos ao seu redor encararam com naturalidade o fato de ela trabalhar fora e o marido cuidar de tudo. "Não ouvimos nada de ninguém, o que é bom. Isso significa que essa ideia não é mais tão tabu quanto antes."

Ela ainda diz que o casal não planeja mudar de situação. "Estamos confortáveis, e eu só vejo vantagens. Com isso, sei que, por exemplo, a nossa filha está segura", afirma ela.

A supervisora de suporte Joana D"arc Valério, 53 anos, passou por situação diferente. Há 23 anos, quando a sua filha nasceu, o marido, José Antônio, perdeu o emprego. Na época, ela propôs que ele ficasse em casa para cuidar da menina, o que foi aceito sem problemas por ele.

Algumas pessoas que conheciam o casal, porém, não viram com bons olhos a decisão. "Ouvimos muitas piadinhas nos primeiros três anos. Mesmo a minha família tinha dificuldade para aceitar essa realidade. Mas sempre fomos unidos e não ligamos para todo o falatório", lembra Joana.

Depois que a garota cresceu, José trabalhou algumas vezes fora, mas voltou à antiga rotina para cuidar do pai de Joana, que ficou doente. "Hoje, meus familiares agradecem pelo que ele fez. Fico feliz em saber que o fato de o homem trabalhar em casa já não causa tanto estranhamento."

ELOGIOS - O longa de animação "Os Incríveis 2" chega aos cinemas 14 anos depois de seu primeiro capítulo. Mesmo após tanto tempo, a família de super-heróis ainda cativa os fãs, que aguardaram a sequência.

"O filme original me chamou a atenção porque enfatiza a importância da família unida. E este mostra a questão da igualdade de gênero, uma luta que as mulheres travam o tempo todo", analisa a estudante de enfermagem Bianca Tedeschi, 21 anos.

Ela diz que a história passa longe de ser infantil demais. "É um longa que diverte e ainda mostra valores. Tenho amigos, até mais velhos do que eu, que não veem a hora de assistir a "Os Incríveis 2"."

A digitadora Maria Augusta Tavares, 29 anos, concorda que a história é para todos. "Mesmo sendo sobre uma família de heróis, o filme tem a ver com as nossas vidas. O primeiro fala de superar desafios para seguir o que queremos ser. O segundo trata de uma situação moderna, que pode ocorrer em qualquer casa."

O longa, inclusive, inspira profissionais. Penha Maia, 52 anos, estilista da marca Pó de Arroz, é fã de Edna Moda, personagem da animação que é estilista. "Ela é maravilhosa! Antes de conhecê-la, pensava que tudo na moda já havia sido inventado. Mas ela tem cortes precisos e cheios de composição que passam personalidade", diz ela. "E é visionário. Uma estilista que todos sonham ter."

ALERTA - Nos Estados Unidos, "Os Incríveis 2" ganhou destaque além dos recordes de bilheteria. A Pixar, responsável pela distribuição do longa, colocou um aviso antes de filme afirmando que ele poderia causar convulsões. A animação, que já está no circuito americano de cinemas, recebeu críticas do público pelo risco de causar ataques. A Disney Brasil não comentou se o mesmo alerta estará no filme exibido aqui.

As reações são provocadas por cenas em que há efeitos de luzes intermitentes. "É a chamada epilepsia fotossensível. Quem não sofre disso não corre risco nenhum de ter um ataque", tranquiliza Marlon Figueiredo, professor de pós-

graduação em neurologia do Instituto de Pesquisa e Ensino Médico. "Quem já teve esse problema, no entanto, precisa de avaliação e de tratamento individualizado", completa.

"É uma espécie de curto-circuito que dá no cérebro que tem um foco irritativo. É uma característica física do cérebro, e pode acontecer mesmo em cenas de pouca duração", diz o psicólogo e especialista em programação neurolinguística Roberto Debski. Diretor da Sociedade Brasileira de Neurologia, Fernando Gomes Pinto conta que não há como evitar. "O melhor é que essas pessoas não vejam cenas com luzes piscantes demais. O sono também é um fator desencadeador da convulsão, então, se o epiléptico não dormiu bem na noite anterior, deve passar longe dessas imagens."



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:32 Justino deve lançar Saad candidato
18:28 Justiça eleitoral investiga segurança de Selma Arruda
18:28 Taques lança concessão e rebate críticas
18:24 Alckmin em Cuiabá na próxima semana
18:24 PSDB deve repassar R$ 1,8 mi para campanha de Taques


18:14 Japão perde e classifica por diferença de cartões
18:14 Colômbia avança e Senegal cai no desempate dos cartões
18:13 Tunísia vira sobre o Panamá e
18:13 Bélgica entra na rota do Brasil
17:52 BOA DISSONANTE
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018