Quarta feira, 17 de julho de 2019 Edição nº 15006 28/06/2018  










Anterior | Índice | Próxima

Continuação de 'Os Incríveis' surge ainda mais direcionada a adultos

THALES DE MENEZES
Da Folhapress – São Paulo

Em 2004, "Os Incríveis" fez sucesso mundial. Era atraente para as crianças e também para adultos, em sua discussão sobre a percepção da decadência profissional dos veteranos, personificada no paizão, o Sr. Incrível. Depois de 14 anos, a continuação do filme surge ainda mais direcionada a espectadores grandinhos.

Quem tem filhos pequenos pode levá-los sem receio algum a uma sessão de "Os Incríveis 2". Há um bom punhado de cenas de lutas e perseguições que vão deixar a molecada ligada na tela. Mas pode ser difícil a tarefa de acompanhar uma trama que fala sobre inclusão social, crise econômica e da força da propaganda e das mídias sociais.

Para quem não viu o filme original (quem?), vale explicar que os Incríveis são o pai megafortão Sr. Incrível, a mãe Mulher-Elástica, a adolescente Violeta (que pode ficar invisível e criar campos de força), o garoto superveloz Dash (que na versão dublada tem o nome Flecha) e o bebê Jack-Jack (no Brasil, Zezé), que dava pistas de ter superpoderes, até então adormecidos.

No segundo filme, a família está sem dinheiro, há leis que impedem os heróis de agir no combate ao crime e Violeta está enfrentando todos os problemas que a vida escolar pode proporcionar.

Então, um investidor milionário, Winston, procura os Incríveis oferecendo ótimo salário e um plano de marketing para que eles voltem à ativa. Com a ajuda da irmã Evelyn, uma bambambã da tecnologia, ele quer registrar as ações dos heróis e espalhar tudo pelo mundo virtual, para que todos vejam que eles são bacanas e necessários à sociedade.

O problema é que a estratégia é focada na Mulher-Elástica, que teria maior apelo junto ao público. Ela parte sozinha para as missões, e um desolado e frustrado Sr. Elástico fica com a incumbência de cuidar da casa e dos filhos, o que acabará se revelando tão ou mais perigoso do que enfrentar supervilões.

Com esse mote, o filme é divertidíssimo, apesar da citada inadequação da evidente complexidade do roteiro aos pequenos espectadores. A trama segue as desconfianças da Mulher-Elástica a respeito da campanha que está protagonizando, um sucesso viral.

Mas, quando é para fazer rir, "Os Incríveis 2" deita e rola principalmente por causa do pequeno Jack-Jack. Ainda sem falar, ele engatinha, baba e a cada cinco minutos demonstra um poder diferente e destruidor. O bebê se revela o mais poderoso da família, e seus feitos incontroláveis têm consequências muito engraçadas.

O vendaval Jack-Jack, ajudado por uma edição de imagens frenética e um punhado de curiosos heróis coadjuvantes, é o bastante para deixar essa continuação um programa obrigatório. A versão com legendas vale a pena, porque a animação tem ótimas vozes, como Holly Hunter, Craig T. Nelson e Samuel L. Jackson.

Seria bom o terceiro filme não demorar outros 14 anos.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:32 Justino deve lançar Saad candidato
18:28 Justiça eleitoral investiga segurança de Selma Arruda
18:28 Taques lança concessão e rebate críticas
18:24 Alckmin em Cuiabá na próxima semana
18:24 PSDB deve repassar R$ 1,8 mi para campanha de Taques


18:14 Japão perde e classifica por diferença de cartões
18:14 Colômbia avança e Senegal cai no desempate dos cartões
18:13 Tunísia vira sobre o Panamá e
18:13 Bélgica entra na rota do Brasil
17:52 BOA DISSONANTE
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018