Terça feira, 20 de agosto de 2019 Edição nº 15004 26/06/2018  










Anterior | Índice | Próxima

Reinvenção da gestão pública

O Futuro da Gestão Pública trata, fundamentalmente, do futuro de todos nós. Os governos surgiram como uma forma de representar os contribuintes e devolver os impostos arrecadados na forma de obras de interesse coletivo e serviços públicos, da segurança e Justiça à saúde e educação. A eficiência desse modelo que acompanha a evolução da humanidade é provavelmente o maior fato diferenciador entre sociedades avançadas e aquelas plasmadas pelo subdesenvolvimento.

No Brasil, a cultura patrimonialista herdada com a colonização legou um Estado que, antes de enxergar o bem comum, procura servir ao próprio organismo. Aposentadorias públicas precoces e com vencimentos integrais, vencimentos muito acima da média da iniciativa privada, garantia de emprego para toda a vida vêm acompanhadas – com boas e estimulantes exceções – por um serviço público que enreda a todos na burocracia, por um sistema de tributação complexo, caro e sufocante ao empreendedorismo, pela proteção pública a corporações com maior poder de pressão e pelo desestímulo geral à inovação, à eficiência e à meritocracia.

Para quem acha que não existe outro mundo governamental além da montanha de papeis, de liberações públicas arrastadas e de um cipoal legal destinado a aprisionar a criatividade e assegurar beneplácitos a quem logrou garantir uma sinecura, a série sobre o futuro da gestão apontam que existem, sim, saídas. Na Estônia, por exemplo, um país do Leste Europeu, todos os serviços públicos estão disponíveis online. Não se trata de copiar, mas sim de olhar para exemplos que estão dando certo e buscar formas de adaptá-los às necessidades brasileiras.

Além do fato de o poder público exaurir quase todos os recursos oriundos dos cidadãos para sustentar a si mesmo e seus apaniguados, é preciso romper com uma cultura burocrática e anacrônica que desnobrece os servidores ao impedir que eles se tornem efetivos indutores do desenvolvimento coletivo. No oceano da gestão pública brasileira, por certo há ilhas, quando não arquipélagos, de eficiência e modernidade, e a série vai trazê-los à luz. São os bons exemplos, e o reconhecimento a eles, que podem acelerar a transformação. São essas idéias e iniciativas que poderão arejar a gestão e espanar para o passado as práticas públicas que mantêm grande parte dos governos no Brasil, de seus Estados e municípios aprisionados a modelos implantados nos século 19 e 20.



A busca de novos modelos de governo extrapolou o simplismo ideológico e se transformou numa necessidade planetária



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:04 R$ 800 milhões para pontes e estradas
19:03 Pinheiro diz que não vai interferir em eleição da mesa
19:03 Nomeados vereadores que formarão CPI da Educação
19:03 Eduardo Botelho critica governo
19:02 Antônio Joaquim chama Silval de ‘gangster’


19:02 Rival mistura geopolítica com futebol na arquibancada e no campo
19:02 Neymar se irrita com críticas, e Globo nega distinção
19:01 Empate garante classificação do Brasil
19:01 Peru bate a Austrália e volta a vencer em Copa após 40 anos
19:01 França e Dinamarca são vaiadas em primeiro 0 a 0
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018