Segunda feira, 16 de setembro de 2019 Edição nº 14995 13/06/2018  










LIVRO-CRÍTICAAnterior | Índice | Próxima

Psicóloga alcoólatra e solitária guia obra no topo da lista do New York Times

SANTIAGO NAZARIAN
Da Folhapress - São Paulo

Abandonada pelo marido, uma mulher alcoólatra e solitária cria uma obsessão pela vizinha, que vive um relacionamento abusivo. Temos aqui as linhas gerais de "A Mulher na Janela", mais um "romance de sororidade", com premissa idêntica a sucessos como "A Garota do Trem", de Paula Hawkins, e "A Mulher Entre Nós", de Greer Hendricks e Sarah Pekkanen.

Desta vez a autoria é de um homem, A. J. Finn, pseudônimo do editor americano Daniel Mallory, que teve um sucesso instantâneo com essa sua primeira obra, primeiro lugar na lista do New York Times, vendida para quase 40 países e cujos direitos para cinema foram adquiridos pela 20th Century Fox.

Em "A Mulher na Janela" a protagonista é Anna Fox, uma psicóloga de meia-idade que desenvolveu agorafobia (pavor de espaços abertos).

Trancada em sua casa no Harlem, ela passa os dias espiando os vizinhos pela janela, misturando medicamentos tarja preta com vinho, até que testemunha uma agressão -ou um possível assassinato. Obviamente, ninguém acreditará no que ela viu.

Composto por cem capítulos curtos, em parágrafos também curtos e objetivos, o romance parece ter sido feito de encomenda para o cinema, incluindo dezenas de referência a filmes noir, favoritos da protagonista, que ditam muito do estilo da narrativa (sendo "Janela Indiscreta", de Hitchcock, uma das referências mais óbvias).

Em termos literários, é uma nulidade, não comunicando nada além da trama, não trazendo nenhuma reflexão mais densa ou inovação no estilo.

Se nada se extrai do texto, a elegância da prosa e a sofisticação do universo narrativo afastam um possível tom cafona, tão comum em literatura de massa; é uma leitura bastante fácil, prazerosa, que não ofende a inteligência. Entretanto a revelação final do livro, em longos diálogos expositivos (em meio a uma tempestade de relâmpagos, para piorar), é preguiçosa e decepcionante. A impressão que fica é de um roteiro mal acabado. Melhor esperar pelo filme.



A Mulher na Janela

A. J. Finn. Tradução: Marcelo Mendes. Ed. Arqueiro, R$ 39,90 (352 págs.)

Avaliação: Regular..



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:29 BOA DISSONANTE
19:29 AL aprova contas de Taques
19:28 O papel do advogado criminalista?
19:27 Como combater o glaucoma?
19:27 A injusta distribuição tributária


19:26 Verde e amarelo
19:26 De convite
19:25
19:25 Psicóloga alcoólatra e solitária guia obra no topo da lista do New York Times
19:24 Comédias estão mais dramáticas, diz executiva da HBO
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018