Sexta feira, 26 de abril de 2019 Edição nº 14982 23/05/2018  










CONFINAMENTOAnterior | Índice | Próxima

Volume de animais tem ligeira alta

Da Reportagem

O primeiro levantamento do Instituo Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) sobre a intenção de confinamento em 2018 indica pequena alta de 1,95% com relação ao número de animais confinados em 2017. De acordo com estudo, solicitado pela Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), os produtores pretendem confinar 707.680 cabeças este ano.

A pesquisa, realizada no último mês de abril, aponta para um cenário de cautela e planejamento à atividade pecuária de modo geral marcam o desempenho da pecuária este ano. A pesquisa atual mostra um volume 0,83% maior que o apurado em levantamento realizado em abril de 2017, quando foi apurada a intenção de confinar 701.850 animais, ou seja, há um ano. Este valor, porém, não se concretizou e o ano fechou com total de 694.145 animais confinados.

Para o diretor-executivo da Acrimat, Luciano Vacari, os pecuaristas estão calculando os custos e a analisando o comportamento do preço da arroba na hora de tomar a decisão. “O confinamento é atividade que mais exige planejamento para que seja rentável dentro da pecuária. Com alta dos insumos e instabilidade no preço da arroba, os produtores não devem investir na ampliação do plantel confinado”, afirma Vacari.

Mas o fator que mais tem pesado na tomada de decisão é o preço da arroba do boi. De janeiro para cá houve uma desvalorização de 1,4% e se comparar com a cotação do mercado futuro a queda é de 3%. Em abril de 2017, a arroba do boi para outubro era cotada em R$ 153. Este ano, a arroba do boi para outubro está em R$ 148,75 no mercado futuro (B3) e descontando o diferencial de base, o preço é de R$ 131,5 em Mato Grosso.

Esta baixa no preço da arroba desestimulou o produtor a antecipar as vendas. De acordo com o levantamento, somente 3,6% dos bovinos a serem confinados já foram comercializados, o menor índice da história. Ano passado, 8% dos animais confinados foram vendidos antecipadamente e em 2016 a participação foi de 42%, variando entre mercado futuro e boi a termo, quando a negociação é feita diretamente com a indústria.

“Considerando a queda no preço da arroba, aumento de custo do insumo, teremos no mercado de confinamento aqueles que se planejaram e anteciparam as compras. Em julho teremos uma melhor perspectiva de como será a atividade este ano”, afirma Vacari.

DECISÃO - O planejamento inclui o cálculo de custo, do preço no mercado futuro e a aquisição dos insumos antecipadamente. Este ano, 67,9% dos animais que serão confinados já foram comprados pelos produtores, o que representa mais de 480 mil cabeças. Outro insumo importante é o chamado proteinados utilizado na alimentação. O milho e o farelo de soja estão mais caros, enquanto a torta de algodão está 52% mais barata.

Outra alternativa para este ano será o DDG (derivado no milho processado na fabricação de etanol). Assim, quem já comprou a ração no período da safra passada economizou. (MP)



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:03 MT tenta renegociação com banco
19:03 Taques pede tranquilidade aos servidores públicos
19:03 TJ deve analisar hoje HC de Mauro Savi
19:02 Sindicato pressiona TJ por ação no STF
19:02


17:32 BOA DISSONANTE
17:32 PT: Lula é oportunidade para reencontrar a democracia
17:31 Endurecer a lei contra o crime
17:29 Ateu, graças a Deus!
17:29 Dom Lula e as universidades
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018