Domingo, 18 de agosto de 2019 Edição nº 14982 23/05/2018  










CORRUPÇÃOAnterior | Índice | Próxima

TJ manda prender ex-governador de MG

CAROLINA LINHARES
Da FolhaPress – Belo Horizonte

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais negou ontem o último recurso do ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB) e determinou sua prisão, seguindo o entendimento do STF (Supremo Tribunal Federal) que autoriza o cumprimento da pena após condenação em segunda instância.

Os desembargadores já haviam concordado em expedir a prisão de Azeredo, desde que antes fossem esgotados os recursos possíveis na corte. Os embargos declaratórios julgados nesta terça foram considerados o último recurso possível e, por isso, a prisão foi decretada de forma imediata.

Os advogados chegaram a pedir que seja aguardada a publicação do acórdão ou o prazo para novos recursos antes que o pedido de prisão fosse expedido.

Os desembargadores, então, chegaram a discutir se a prisão deveria ser decretada nesta terça e, por 4 votos a 1, entenderam que sim. Os desembargadores chegaram a mencionar o caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que teve a prisão decretada mesmo antes de exauridos todos os recursos na segunda instância.

O entendimento, no caso de Lula e de Azeredo, é que novos embargos na corte teriam efeito apenas protelatório.

Por unanimidade, os cinco desembargadores da Quinta Câmara Criminal negaram os embargos de declaração. Com isso, foi confirmada a condenação de 20 anos e 1 mês por peculato (desvio de dinheiro público) e lavagem de dinheiro no esquema conhecido como mensalão tucano.

A defesa de Azeredo aguarda o julgamento de dois habeas corpus no STJ (Superior Tribunal de Justiça) para tentar impedir sua prisão e obter a anulação da condenação. Ainda cabem recursos ao STJ e também ao STF.

ENTENDA O CASO

Azeredo foi inicialmente condenado em 2015, mas recorreu ao Tribunal de Justiça. Em agosto passado, por 2 votos a 1, os desembargadores mantiveram a condenação em segunda instância.

Desde então, Azeredo teve dois recursos negados no TJ -o último no dia 24.

A denúncia oferecida em 2007 pela Procuradoria-Geral da República, quando Azeredo ocupava o cargo de senador, acusa o tucano de desviar R$ 3,5 milhões de empresas estatais de Minas (Copasa, Comig e Bemge) para sua fracassada campanha à reeleição de 1998.

As empresas pagaram os valores para a SMP&B, do publicitário Marcos Valério, para supostamente patrocinar três eventos esportivos. A orientação para que as estatais concedessem o patrocínio partiu da Secretaria de Comunicação do governo.

As investigações mostram, porém, que os recursos foram usados para cobrir empréstimos da campanha junto ao Banco Rural.

O processo de Azeredo teve início no STF, com o acolhimento da denúncia em 2009. Em 2014, quando a ação estava pronta para ser julgada e o tucano era deputado federal, ele renunciou ao cargo, numa estratégia para voltar à primeira instância e retardar o fim do processo.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




17:03 Juiz prevê "prisão em massa" de membros do MPE
17:02 Os eternos donos do poder
17:02 Digital influencer
17:02 O STF e o combate ao crime organizado
17:01


17:01 Sinais de alerta na economia
17:00 Exposição em Paris transforma inteligência verde da floresta em arte
16:59 Gustavo Mioto planeja novo DVD no local de seu 1º show no Nordeste
16:59 Dupla sertaneja Diego e Victor Hugo tenta se firmar com músicas românticas
16:58 Número de discos vendidos por João Gilberto é nebuloso e trava processo milionário
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018