Segunda feira, 16 de setembro de 2019 Edição nº 14975 12/05/2018  










RELATÓRIO DA CIAAnterior | Índice | Próxima

Ministro destaca prestígio das Forças

GUSTAVO URIBE
Da FolhaPress – Brasília

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, saiu na sexta-feira (11) em defesa das Forças Armadas e avaliou que a divulgação de documento secreto que mostra a continuidade de política de execuções sumárias na ditadura militar não irá afetar o prestígio da classe militar.

Em entrevista à imprensa, ele ressaltou que o governo brasileiro não tem conhecimento oficial sobre a veracidade das informações e chamou as Forças Armadas de ativo democrático no país, cujo valor "permanece nos mesmos níveis que se encontra até aqui".

"As Forças Armadas brasileiras são um ativo democrático que o país hoje tem e isso, evidentemente, não é tocado por uma reportagem. Chamo a atenção: não temos acesso a documentos oficiais e isso só poderá ocorrer, ou seja, um pronunciamento oficial, quando tivermos acesso direto a esses documentos", disse.

O ministro defendeu que alguma medida deve ser tomada pelo governo brasileiro, mas ressaltou que não cabe a ele tomar uma decisão, mas ao Ministério da Defesa. Jungmann, que ocupava a pasta desde o início do governo Michel Temer, deixou a estrutura em fevereiro para comandar a Segurança Pública.

"São documentos da CIA e o governo brasileiro não tem conhecimento oficial de nada do que diz respeito a isso. Para se ter um pronunciamento oficial a respeito desse assunto, nós não podemos ficar apenas [nisso]. Não estamos a desconsiderar ou a desfazer de nenhuma noticia ou reportagem, mas é preciso ter acesso oficial de governo a governo", afirmou.

O documento foi tornado público, com exceção de dois parágrafos ainda tarjados, em 2015 pelo governo dos Estados Unidos. Spektor qualificou o papel como o documento mais perturbador que já leu em 20 anos de pesquisa.

Em nota, o Comando do Exército informou que os documentos sigilosos relativos ao período em questão e que "eventualmente pudessem comprovar a veracidade dos fatos narrados foram destruídos, de acordo com as normas existentes à época -Regulamento para Salvaguarda de Assuntos Sigilosos (RSAS)- em suas diferentes edições".

Procurado pela reportagem, o presidente Michel Temer não quis comentar.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:46 Lucimar Campos lança R$ 65 milhões em obras
19:45 Manobra por reeleição deve criar embate jurídico
19:45 Deputados decidem na segunda se votam por soltura de Savi
19:44 Silval é condenado a 14 anos de prisão
19:43 Bandidos assaltam Correios em Sinop


19:42 GCCO faz nova operação contra facção criminosa
19:42 Servidores do socioeducativo entram hoje em greve
19:40 BOA DISSONANTE
19:40 Jayme não gosta da proposta de Mauro ser vice de Pivetta
19:38 Bolsonaro e a China
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018