Segunda feira, 21 de maio de 2018 Edição nº 14962 21/04/2018  










CAIXA DOISAnterior | Índice | Próxima

MP abre inquérito para investigar Alckmin

Alckmin sempre negou qualquer irregularidade e disse que suas campanhas foram todas feitas dentro da lei. Procurada, sua assessoria ainda não respondeu

ARQUIVO
O Ministério Público abre inquérito contra o ex-governador Geraldo Alckmin por suspeita de caixa dois
THAIS BILENKY
Da Folhapress – São Paulo

O Ministério Público de São Paulo abrirá inquérito para investigar se o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) cometeu improbidade administrativa no caso de suspeita de caixa dois de mais de R$ 10 milhões.

O cunhado do tucano Adhemar Cesar Ribeiro e o secretário estadual Marcos Monteiro serão incluídos. Eles foram apontados por delatores da Odebrecht como operadores de recursos não declarados nas campanhas ao governo paulista de 2010 e 2014.

Alckmin sempre negou qualquer irregularidade e disse que suas campanhas foram todas feitas dentro da lei. Em nota, sua assessoria declarou que "o ex-governador vê a investigação de natureza civil com tranquilidade e está à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos".

"Não apenas por ter total consciência da correção de seus atos, como também por ter se posicionado publicamente contra o foro especial", completou.

O caso a ser apurado é o mesmo que o STJ (Superior Tribunal de Justiça) encaminhou à Justiça Eleitoral, sob alegação de que não há indícios de corrupção passiva. Com a decisão, Alckmin saiu da mira imediata da Lava Jato.

Na investigação, o Ministério Público Estadual se atém à esfera civil.

Na peça, a Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social requer o compartilhamento de provas do inquérito policial ao desembargador Carlos Eduardo Padin, presidente do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo.

Assinam a portaria Otávio Garcia, Nelson Andrade e Marcelo Milani.

A improbidade pode ser punida, por exemplo, com multa, suspensão dos direitos políticos, inelegibilidade e perda de cargo, emprego ou função pública.

A lei de 1992 que enquadra os atos contrários ao princípio da administração pública não prevê prisão, mas pune pessoas e empresas com perda de cargo e proibição de contratar com governos, por exemplo.

A improbidade ocorre em casos como recebimento de propina, fraude em licitação e busca de vantagem pessoal.

Em termos mais gerais, pode-se entender a improbidade administrativa como uma conduta desonesta por parte de funcionários públicos. No dicionário, a palavra improbidade significa desonestidade, ausência de integridade.

De acordo com os especialistas, para se configurar a improbidade administrativa é preciso que o servidor público tenha agido de má-fé.

O CASO

Após deixar o governo paulista, há duas semanas, Alckmin perdeu o foro especial. O inquérito, que tramitava sob sigilo no STJ, foi então encaminhado à Justiça Eleitoral de São Paulo.

A ministra Nancy Andrighi, relatora do caso no STJ, atendeu a requerimento do vice-procurador-geral, Luciano Mariz Maia, encarregado pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, de oficiar perante o STJ. Segundo ele, as investigações indicam a prática de crime eleitoral.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




17:44 Ministério Público de Contas defende pagamento de RGA
17:44 Mauro Curvo rebate críticas de deputados denunciados
17:43 Taques discorda de proposta de deputados
17:43 Vereador requer cassação de mandato de colega
17:42 Álvaro Dias quer vaga para Zé Medeiros


17:24
17:18 Garcia Neto – o estado-solução
17:18 BOA DISSONANTE
17:17 Valha-me Conab
17:17 Tudo ao mesmo tempo agora
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018