Segunda feira, 17 de junho de 2019 Edição nº 14957 14/04/2018  










CÁRMEN LÚCIAAnterior | Índice | Próxima

Ministra do STF assume Presidência

Da Folhapress – Brasília

A presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministra Cármen Lúcia, assumiu ontem a Presidência da República no lugar de Michel Temer (MDB), que viaja ao Peru para participar da Cúpula das Américas.

A presidente do Supremo exercerá o cargo por apenas um dia para evitar que os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), se tornem inelegíveis neste ano.

Na primeira vez em que vai exercer o cargo, Cármen Lúcia deverá despachar do Palácio do Planalto ao menos na parte da tarde, onde terá documentos para assinar, seguindo o protocolo. Auxiliares disseram que ela não participará de eventos públicos como chefe do Executivo.

Cármen Lúcia foi à base aérea se despedir de Temer, que viajou ontem pela manhã.

É a segunda vez que a Presidência será exercida por uma mulher - a primeira foi Dilma Rousseff (PT), que sofreu impeachment em 2016. A expectativa é que Temer retorne ao Brasil hoje e reassuma o cargo.

Em 2006, quando Lula era presidente e viajou à Argentina, a então presidente do STF, ministra Ellen Gracie, quase assumiu o Palácio do Planalto interinamente devido às ausências do país do vice, José Alencar, e dos presidentes da Câmara e do Senado à época, Aldo Rebelo e Renan Calheiros. De última hora, Renan desistiu da viagem e sentou-se na cadeira presidencial.

A agenda de Cármen Lúcia ontem, divulgada pelo STF, incluiu audiências com a ministra Grace Mendonça (Advocacia-Geral da União) e com o general Joaquim Silva e Luna (ministro da Defesa), com o senador Valdi Raupp (MDB-RO), com representantes de entidades do setor de transportes e com o presidente da AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros), Jayme de Oliveira.

Assessores palacianos disseram que, em casos como esse, é comum que sejam deixados atos menos expressivos para o substituto do presidente assinar.

O presidente do STF é o quinto na linha sucessória. Com a ausência do presidente, assumiria o vice-presidente, figura inexistente depois do impeachment de Dilma.

Na sequência, vêm os presidentes da Câmara e do Senado. Os dois, contudo, serão candidatos neste ano, e a lei eleitoral determina que quem assume a Presidência num prazo de seis meses antes das eleições se torna inelegível.

Maia é pré-candidato à sucessão presidencial pelo DEM. Eunício disputará a reeleição como senador pelo Ceará. Para não assumirem o Executivo, eles precisariam apenas se licenciar do cargo, mas resolveram também se ausentar do país. Eunício vai ao Japão e Maia foi ao Panamá.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:08 Supremo deveria erguer uma estátua
18:07 INSS convoca 152 mil para perícia
18:07 Após queda de braço, Michel Temer indica seu porta-voz para o comando da empresa
18:06 Defesa de Lula recorre de novo ao Supremo
18:06 Prefeitura pede transferência de Lula ‘para lugar seguro’


18:06 Defesa de Lula recorre de novo ao Supremo
18:06 Ministra do STF assume Presidência
17:57 TJ aumenta auxílio saúde e alimentação dos juízes
17:56 Três mil novos documentos adiam fim da CPI do MPE
17:54 TJ libera retomada de licitação de R$ 11,2 bi
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018