Sexta feira, 21 de fevereiro de 2020 Edição nº 14952 07/04/2018  










TELEVISÃOAnterior | Índice | Próxima

Após sair da Globo, Waack estreia programa dia 13

Da Folhapress - São Paulo

Após ter seu contrato rescindido com a Globo, William Waack se prepara para estrear seu novo programa. O "PainelWW" começa a ser exibido dia 13 de abril e será transmitido pela internet, por meio do site oficial da atração e simultaneamente no YouTube e Facebook.

"Vamos priorizar convidados de qualidade e foco nos grandes temas em evidência, interagindo com internautas e uma plateia formada por jovens", afirmou Waack.

O programa será semanal, sempre às sextas (a partir das 14h), com exibição ao vivo em um estúdio no Morumbi, em São Paulo. A aposta está na interação com convidados da plateia, internautas e comentários do apresentador durante a atração.

O "PainelWW" será veiculado pela ALLTV, do jornalista Alberto Luchetti, ex-Globo, Bandeirantes e Grupo Estado, em parceria com a produtora Infiniti, de José Emílio Ambrósio.

O jornalista falou sobre a pretensão de falar para novos públicos: "Criamos uma estrutura altamente profissional e experiente, o que me motiva para o contato renovado com o público e a introdução de características que sempre desejei adotar em meu trabalho. A interatividade hoje é peça fundamental para a abordagem de temas essenciais, no ano eleitoral mais importante da história recente do país".

RACISMO

Um vídeo com William Waack conversando nos bastidores durante a cobertura da vitória de Donald Trump na eleição presidencial, em 2016, mostrou o jornalista xingando um motorista que passa buzinando.

"Está buzinando por quê, seu merd* do cacete? Deve ser um, com certeza, não vou nem falar de quem, eu sei quem é, sabe o que é?", disse ele, que cochicha supostamente a palavra "preto" no ouvido do entrevistado ao seu lado.

No mesmo dia que o vídeo vazou, em 8 de novembro, Waack foi afastado pela direção da TV Globo, que alegou em nota oficial. "Ao que tudo indica, [o comentário foi] de cunho racista".

Um mês depois, a Globo anunciou a rescisão do contrato com Waack, depois de um acordo entre as duas partes. No comunicado, a emissora ressaltou que não tolera "racismo em todas as suas formas e manifestações", embora o jornalista negue ter agido de forma preconceituosa.

No programa de Fábio Porchat, em março, o jornalista comentou que lição tirou do caso: "Eu aprendi a ter mais sensibilidade para alguns pontos e aprendi a ser mais humilde".



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




00:12 TJ homologa delação de Riva
00:08 PT entra na briga pela vaga de Selma Arruda e lança candidato ao Senado
16:32 BOA DISSONANTE
16:32
16:31 Wilson diz que Taques pode ser Candidato


16:30 BR-163, tributo a persistência
16:30 Água no Carnaval das cidades
16:29 Incitação perigosa
16:29 Pornografia infantil na rede
16:29 Anacronismo
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018