Segunda feira, 27 de maio de 2019 Edição nº 14949 04/04/2018  










JUSTIÇAAnterior | Índice | Próxima

Supremo julga hoje habeas corpus de Lula

São esperadas manifestações de grupos favoráveis e contrários ao petista. Ministra diz que Justiça vive momento difícil e turbulento e pede respeito às decisões

ARQUIVO
O ex-presidente Lula foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex em Guarujá (SP)
REYNALDO TUROLLO JR.
Da Folhaprtess – Brasília

O habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será julgado hoje, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília. Durante o julgamento da ação pedida pela defesa de Lula para evitar sua prisão, são esperadas manifestações em Brasília de grupos favoráveis e contrários ao petista. Cármen Lúcia se reuniu na manha de segunda-feira com o diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, para tratar do esquema de segurança do STF durante o julgamento.

Lula foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex em Guarujá (SP). Em janeiro, ele teve a condenação mantida em segunda instância pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região). Na semana passada, o TRF-4 negou os últimos recursos da defesa. Lula conseguiu temporariamente uma liminar que impede sua prisão até que o Supremo julgue o habeas corpus.

Por questão de segurança, a Secretaria de Segurança Pública do DF não informou o efetivo de policiais a ser usado na ocasião. Pelo mesmo motivo, o Supremo Tribunal Federal também não informou os procedimentos de segurança.

A presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, disse na manhã de ontem, ao abrir sessão do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), que é papel dos juízes fortalecer as instituições em um momento \"talvez mais difícil, mais turbulento\", como agora. Ela também pediu respeito às decisões judiciais.

Cármen Lúcia, que também preside o CNJ, adotou tom pacificador semelhante ao de pronunciamento na TV Justiça na noite anterior, quando disse que \"há que serem respeitadas opiniões diferentes\".

\"[Fortalecer as instituições é um] Papel que é de todos os juízes que vêm atendendo às determinações constitucionais, fazendo com que tenhamos instituições que possam atender cada vez mais ao reclamo da sociedade, agora num momento talvez mais difícil, mais turbulento\", disse a ministra no CNJ.

\"Estamos trabalhando independentemente dos resultados -que, nem sempre, tendo duas partes, faz com que todos estejam satisfeitos-, mas sempre esclarecendo a todos que o papel do juiz [...] é o de, segundo sua compreensão de mundo e de interpretação estrita da lei, fazer com que a nossa tarefa seja cumprida com quase nenhum espaço de discricionariedade\", afirmou.

Segundo a ministra, o Judiciário trabalha para que se garantam os direitos de todos. Para tanto, Cármen disse que é preciso que as decisões judiciais sejam cumpridas, ainda que contrariem alguma das partes.

Nas declarações à TV Justiça, a presidente do Supremo disse que o Brasil vive \"tempos de intolerância e de intransigência contra pessoas e instituições\", e pediu serenidade.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




21:06 Chance de golpe de estado é menos um
21:05 Presidenter escala consultor pessoal
21:04 Desvio da Constituição desorganiza a sociedade
21:03 Rosa Weber nega habeas corpus a Lula
21:03 Gilmar Mendes cita mídia opressiva


19:55 Inscrições vão até quinta-feira
19:54 Reforços engrenam e viram armas
19:54 Flamengo aguarda final do Gauchão
19:54 Timão deve ter Ralf e Jadson
19:53 Barcelona goleia a Juventus no Camp Nou
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018