Domingo, 17 de novembro de 2019 Edição nº 14949 04/04/2018  










SAÚDE/MTAnterior | Índice | Próxima

Só um município de fronteira tem UTI

Dados são do Conselho Federal de Medicina (CFM) e estão sendo discutidos, no II Fórum de Médicos de Fronteira, em Campo Grande

ARQUIVO
Cáceres é a única cidade fronteiriça de Mato Grosso com UTI, possui 16 leitos
JOANICE DE DEUS
Da Reportagem

Quatro dos cinco municípios mato-grossenses que fazem fronteira com a Bolívia não possuem nenhum leito de unidade de tratamento intensivo (UTIs) disponível aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Além disso, contam com apenas 6.10% de um total de 5.465 de vagas disponíveis para internação existentes em 122 cidades brasileiras fronteiriças do país.

No Estado, Cáceres, Comodoro, Poconé, Porto Esperidião e Vila Bela da Santíssima Trindade fazem fronteira com a Bolívia. Juntas, contabilizam 169.729 habitantes. Porém, Cáceres é a única com UTI (16 leitos) e também concentra a maioria (186) das vagas ofertadas para internação, num total de 333 leitos, que seguem distribuídos entre Poconé (58), Vila Bela (41) e Comodoro (31).

Em Porto Esperidião, não há oferta de vagas em ambos os tipos de acomodação, inclusive, em hospital geral. Neste último caso, por exemplo, o município conta apenas com cinco centros ou unidades básicas de saúde (UBS). Nas 122 cidades brasileiras, são 273 UTIs.

Dados sobre a situação da saúde na região de fronteira estão sendo discutidos, no II Fórum de Médicos de Fronteira, que acontece em Campo Grande (MS). Organizado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), o evento começou ontem (03) e será encerrado hoje (4). Os dados são do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), coordenado pelo Ministério da Saúde.

O encontro tem como foco discutir a assistência em saúde nessa região e o papel do médico nesse cenário. Entre os destaques, está a participação de representantes das Forças Armadas, que abordarão a formação do médico militar; uma análise sobre a cooperação internacional e seu impacto no atendimento nessas áreas; e o respeito à saúde indígena.

No Brasil, além de Mato Grosso, 10 estados fazem fronteira com outros países, sendo eles, o Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraná, Rio Grande do Sul, Rondônia Roraima e Santa Catarina. Neles, 122 municípios são considerados fronteiriços. Desse total, 42 (34%) não possuem hospital geral.

No geral, o estudo aponta ainda que um quinto (27) dos municípios brasileiros não possui nenhum leito de internação disponível no SUS. Além disso, 93% deles não contam com leitos em UTIs. Nessas cidades, também é baixa a oferta de estabelecimentos e de profissionais de saúde na rede pública, e, de forma geral, é alta a incidência de doenças infectocontagiosas.

“São localidades distantes dos centros urbanos e muitas vezes de difícil acesso. Nelas vivem uma população que também precisa de ter acesso a diagnósticos e tratamentos. Por isso, a oferta de serviços públicos de qualidade tem sido um desafio”, alerta Carlos Vital, presidente do CFM.

No Estado, por exemplo, Cáceres e Vila Bela chamam a atenção por contarem com taxas de tuberculose de 41,81 casos da doença para cada 100 mil habitantes e de 38,9 cada para 100 mil indivíduos, respectivamente. A incidência é superior à média nacional (33,83).

Já em três municípios mato-grossenses, a taxa de mortalidade infantil também está acima da nacional (12,42 mortes a cada mil nascidos vivos), sendo eles: Cáceres (13,44), Comodoro (41,42) e Vila Bela (15,44). Em Poconé e Porto Esperidião, as taxas são 10,02 e 11,83 mortes a cada mil nascidos vivos, respectivamente.

Os números apurados pelo CFM revelam ainda que os municípios limítrofes concentram 3.869 médicos cadastrados no CNES. Esse número representa 0,9% do total de médicos em atividade em todo o país, segundo registros pelos conselhos de medicina (454 mil). Do Estado, Cáceres é o com maior número de profissionais contando 170 médicos, 133 enfermeiros e 45 odontólogos. Já Comodoro tem o menor número, num total de 18 profissionais entre as três classes.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




17:29 A Bolívia e seus dilemas - parte II
17:29 BOA DISSONANTE
17:28 Estado adia para 2020 decisão sobre VLT
17:27 Diferença entre direita e bolsonarismo
17:26 A saída da extrema pobreza


17:26 Reflexões da vida
17:25 Toffoli intima BC e obtém dados sigilosos de 600 mil pessoas
17:25
17:24 Brics ignoram crise na Venezuela e Bolívia
17:24 Zona de livre comércio com China pode prejudicar indústria
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018