Terça feira, 23 de abril de 2019 Edição nº 14935 14/03/2018  










SÉRIEAnterior | Índice | Próxima

'Rua Augusta' estreia amanhã na TNT

Para viver stripper em série, Fiorella Mattheis fez aula de pole dance e frequentou inferninhos

Da Folhapress - São Paulo

Um ataque inesperado e uma morte não planejada formam o motor da trama de “Rua Augusta”, primeira série nacional de ficção da TNT, que estreia na quinta-feira, às 21h30m, com episódio duplo e sem intervalos comerciais. Os dois primeiros capítulos também estão no Now e, a partir da próxima semana, serão disponibilizados na plataforma de streaming apenas um dia após irem ao ar no canal de TV paga.

No centro da história está Mika (Fiorella Mattheis), dançarina de um inferninho na região central da Rua Augusta, em São Paulo, conhecida por suas boates de strip-tease, baladas indie, pés-sujos, hotéis baratos e o tráfego intenso causado, entre outras coisas, pela prostituição. É ela que sofre um ataque inesperado logo no primeiro episódio, quando um rapaz a aborda na escadaria da boate e a fere gravemente com uma garrafa quebrada.

“Rua Augusta” afasta-se um pouco de sua principal referência, a série israelense “Allenby Street” (2012), especialmente no que diz respeito aos temas. O componente religioso, importante para a cultura do Oriente Médio, foi eliminado na versão brasileira: “O tipo de cenário é o mesmo”, diz Pedro Morelli, diretor-geral da série brasileira, que divide a condução dos episódios com Fábio Mendonça. “O que muda são os temas, que aqui incluem corrupção, homofobia e até incesto. E a redenção moral do programa original, que achamos pouco crível para os padrões brasileiros. No “Rua Augusta” ninguém é santo”, disse.

Recheada de cenas de nudez, sexo e consumo de drogas, a série carrega propositalmente nas tintas. Fiorella disse não ter pensado duas vezes em aceitar o papel e tudo o que sua personagem faz. Além disso, ela fez a lição de casa: teve aulas de pole dance e foi aos inferninhos na rua Augusta: “Como muito da ação da série se passa nos bastidores, eu ficava nos camarins das casas, esperando as meninas chegarem e vendo como era o movimento”, conta a atriz, que logo começa a gravar a sexta temporada da série de humor ‘Vai que cola’. “Conversei com mais de 30 garotas. Algumas contavam tudo, outras, não, e tinha também aquelas que inventavam”, disse.

Além de Mika, cujo passado misterioso é combustível à história toda, a série investe em personagens pouco comuns até em tramas policialescas como essa. Um exemplo é o de Babete (Dani Glamour), a gerente transexual da boate onde a personagem de Fiorella trabalha. Atriz trans que fez fama se apresentando no circuito de bares LGBT da noite paulistana, ela contribuiu para tirar do roteiro uma sutil carga de preconceito: “Depois que mandamos o roteiro para a Dani, ela pediu uma reunião com a gente. Para fazer o papel, queria sugerir algumas mudanças para melhorar o que estava lá e para evitar que a gente caísse no preconceito. E nós acatamos”.

O incidente com Mika no episódio inicial move a engrenagem da trama no caminho de uma investigação policial que envolve o assassinato do filho de um poderoso empresário. É aí que entra em cena com mais força o personagem de Alex (Lourinelson Vladmir), dono da boate.

“O meu personagem come contradição com farofa”, disse Lourinelson, que foi escolhido para o papel de Alex depois de trabalhar como “sparring” na rodada de testes de elenco. “Ao mesmo tempo que é um bom pai de família, ele se envolve em um mundo torto. Não é um sujeito maniqueísta, mas está ciente dos erros que comete”, disse.

Com 12 episódios, a primeira temporada de “Rua Augusta” foi filmada em grande parte na região que dá nome à série: “Fizemos quase tudo com câmera na mão, sempre buscando um ângulo diferente — explica Mendonça, que ainda não confirma a segunda temporada”.



QUEM É QUEM NA TRAMA



ALEX. Lourinelson Vladmir faz o papel do dono da boate Hell, onde Mika dança, além de cuidar da filha pequena e tentar se livrar de problemas.



RAUL. O ex-policial interpretado por Milhem Cortaz é o leão de chácara da boate. Machista e homofóbico, ele guarda um segredo.



NICOLE. Pathy Dejesus vive Nicole, a amiga de Mika que tem vida dupla: trabalha como prostituta na noite, namora um cara, mas se apaixona por outro.



EMÍLIO. Rodrigo Pandolfo é o amigo jornalista de Alex que acaba se envolvendo na investigação do assassinato cometido na boate Hell.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:42 Justiça manda soltar o cabo Gerson
19:42 Leonardo Albuquerque é o novo líder do Governo
19:42 PSDB se reúne na sexta e tenta manter DEM unido
19:41 Mauro Mendes filia no DEM dia 23
19:14 Estados produtores mantém boas expectativas


19:13 Vendas movimentaram cerca de meio bilhão
18:42 Morre o físico Stephen Hawking
18:41 Mendes suspende cumprimento de pena
18:41 Documentos diz que Aécio não informou R$ 6,6 milhões
18:41 Estou pronto para ser preso, afirma Lula em livro
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018