Segunda feira, 17 de junho de 2019 Edição nº 14935 14/03/2018  










SÃO PAULOAnterior | Índice | Próxima

Raí cita estilo linha-dura para justificar Aguirre

Da Uol/Folhapress – São Paulo

A escolha de Diego Aguirre como treinador do São Paulo surpreendeu alguns torcedores. No entanto, na visão do departamento de futebol tricolor, a opção pela contratação do uruguaio era a mais lógica. Segundo o diretor de futebol executivo de futebol do clube, Raí, o técnico chega com um voto de confiança dos dirigentes também por seu estilo linha-dura e pelo perfil agregador.

"É um cara superatualizado que tem métodos de treinamento interessantes, um cara agregador, que sabe mexer com o grupo. Eu o conheci lá atrás. Além da unanimidade entre nós, a gente buscou referências de pessoas que trabalharam com ele. As referências foram as melhores possíveis. E estava livre. É alguém que a gente acredita bastante por isso, busca essa atualização contínua, é agregador, mas cobra. E nos times que passou, ele colocou um padrão de jogo interessante", disse o diretor, em entrevista ao Sportv nesta terça-feira (13).

Ídolo do São Paulo, Raí assumiu o cargo no fim de 2017, quando substituiu Vinícius Pinotti. Como dirigente, além de modernizar o setor, o ex-jogador espera delegar responsabilidades e contar com especialistas em cada área.

"Para você assumir uma responsabilidade como dirigente, tem que ter experiência, tarimba. Mas é uma questão de equipe. Estou fazendo com gestores de nutrição, fisiologia, preparação física, cada um traçando suas metas, planos de ação. O São Paulo sempre foi pioneiro. O que mudou? O que a gente pode fazer de melhor? Eu não tenho conhecimento para avaliar nutrição, fisiologia... E a gente pode trazer pessoas para avaliar. Cada um quer transformar sua área na melhor que existe. Meu plano de ação é acompanhar o de vocês. Você sabendo distribuir isso, os resultados vêm com o tempo", explicou o ex-jogador, que conta com Ricardo Rocha e Lugano no departamento de futebol.

"É um cara [Ricardo Rocha] que tem muitos contatos. Quando parei de jogar, cheguei para o presidente na época e falei que gostaria que investissem na minha formação. Isso foi em 2000. Por que eu citei isso? Porque o Lugano saiu e está tendo o caminho que eu achei para mim. Escolhi o Ricardo e outras pessoas, preparador físico, o Pedro [Campos], ele tem dez anos de São Paulo, veio da base. Está vindo Aguirre com preparador físico. Eu falei para o Pedro, você vai trabalhar com o do Aguirre, quer que vocês se integrem, mas eu quero investir em você. Nesses próximos dois anos você vai me dizer o que quer fazer de especialização, estágio. Possibilidade de crescimento, capacitação para essas pessoas pouco a pouco irem assumindo", completou Raí.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




06:12 Alento na segurança
06:11
06:10 Bandidos na TV conta o caso do apresentador acusado de encomendar mortes por audiência
06:09 Do cinema para os palcos: Loucos de Amor estreia neste final de semana
06:05 Lula põe em dúvida facada em Bolsonaro


06:04 Morre aos 76 anos o jornalista Clóvis Rossi
06:03 Maia diz que governo é usina de crises
06:00 Após cortes, Copa América começa com problemas
06:00 Toronto Raptors conquista NBA pela 1ª vez
05:59 Messi vira pavão e tenta título inédito
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018