Segunda feira, 18 de fevereiro de 2019 Edição nº 14928 03/03/2018  










ALICE SCHUCHAnterior | Índice | Próxima

Neofeminino

Neofeminino (=) amor ao jogo!

Neofeminino (=) novidade que qualifica a vida: complementariedade!

O prefixo neo, na língua grega significa novo, nato, recém-nascido. Ao ouvir as palavras do grande concertista Andres Segovia dei-me conta que nós, mulheres do Terceiro Milênio, somos agentes de uma nova mulher, de uma mulher recém nascida, então através de um flash cunhei um termo Neofeminino, neologismo perfeito para representar aquilo que somos e queremos hoje: novas mulheres que vivenciam a própria atemporal feminilidade aliada ao poder, sofisticação, estilo, business appeal, força e vontade na busca constante do ambicionado projeto vitorioso.

Então, tal como fala Segóvia ao referir-se à sua trajetória vencedora, dizemos também nós: “Me encanta a minha força. Quando você tem força e vontade pode superar muitos obstáculos. Vejo porém que a sorte esteve a meu lado e tudo foi chegando, lentamente... Não me distrai, não atendi a nenhum outro chamado e nisto constituiu-se a minha força: em persistir”.

Tantas feministas dos passados séculos lutaram bravamente para que tivéssemos acesso às cartas e sentássemos à mesa para jogar, graças a elas hoje não aceitamos depender. Dependência quer dizer: tu deves me dar porque tens mais, tu me dás porque sou mais fraca, tu me dás porque desejo possuir o que é teu.

O feminino que vejo hoje é a tomada de posição que nasce de uma forma de evidência da nova mulher integrada na sociedade não como o Outro, mas a título de ser humano que compreende a própria consistência de valor e de capacidade resolutiva. Então, com as cartas na mão, jogamos de modo claro e limpo, com autoridade, verdade e força, em coerência com a identidade que cada uma de nós é oriunda das leis da própria natureza.

Hoje, tempo do Neofeminino, somos capazes de introduzir uma novidade que requalifica a vida, a reciprocidade, isto é: eu tenho algo que tu não tens, tu tens algo que eu não tenho e juntos podemos fazer mais, como refere a obra Verso la donna 2000, de Antonio Meneghetti.

Mostremos ao século XXI quem é a mulher, o que queremos e o que somos capazes de fazer para evoluir, formalizar, ser um destino, um vetor, uma história bem sucedida para o progresso de todos.

Amor ao jogo!!!



* ALICE SCHUCH, escritora, palestrante e pesquisadora do universo feminino

aline@whcomunicacao.com.br



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




17:41 Grupo reavalia licitações do Estado
17:38 Mesmo sendo réu, Maluf se mantém na disputa por vaga de conselheiro
17:38 TJ valida rito da AL para escolha de conselheiro
17:37 Mauro Mendes pede a general Mourão apoio para destravar Ferrogrão e BR-163
17:13 PM fecha boca de fumo na Lixeira


17:12 Homem é preso com mais de R$ 7 mil em arame
17:12 Pecuarista é assassinado em Rondonópolis
17:12 Três são presos por "salve" em suspeito de tentativa de estupro
16:57 Estratégia de Bolsonaro é isolar Bebianno caso ele force sua permanência no cargo
16:57 Bolsonaro está abusando na desordem de início de mandato, diz FHC
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018