Quarta feira, 19 de setembro de 2018 Edição nº 14923 24/02/2018  










Anterior | Índice | Próxima

Sistema de segurança falida

Quando a violência chega ao ponto de alterar o comportamento da população, interferindo em hábitos do dia a dia, como demonstra estudo realizado no país pelo Instituto de Opinião Pública (IPO), contratado pelo Instituto Cidade Segura, é porque a criminalidade, de fato, fugiu do controle do poder público. Comum à maioria das cidades brasileiras, essa realidade faz com que não surpreenda o diagnóstico do ministro da Defesa, Raul Jungmann, de que o sistema de segurança pública no país está falido. Por mais que a questão esteja relacionada à crise econômica, pois demanda recursos inexistentes, é preciso enfrentá-la logo, libertando os brasileiros do poder de facções com livre atuação até mesmo dentro de presídios supostamente de segurança máxima.

Um dos méritos do levantamento divulgado agora é o de mostrar que, além de manter vidas humanas sob risco permanente, o crime organizado faz com que uma imensa maioria tema sair à noite, evite andar com dinheiro ou objetos de valor e até mesmo deixe de usar transporte coletivo. A população, por sua vez, descumpre a sua parte quando evita registrar agressões das quais é vítima. Com isso, priva os organismos policiais de um instrumento vital de combate ao crime, que é a informação, a partir da qual os organismos de segurança ficam em melhores condições de cumprir com suas atribuições. É compreensível que, por falta de confiança na capacidade de a polícia agir, muitos cidadãos subestimem a importância das notificações. Ainda assim, esse é o tipo de atitude que só contribui para dificultar ainda mais a atuação do poder público.

Num ano de campanha eleitoral, é preciso que os candidatos a governador disponham do máximo de elementos para enfrentar o descontrole da criminalidade com os recursos disponíveis. Apesar da necessidade de uma reforma ampla, os cidadãos não podem aguardar longos debates e trâmites por uma solução. Por isso, é preciso colocar em prática, com o máximo de celeridade, a reversão para as forças de segurança dos recursos recuperados do crime organizado. A implementação efetiva deste mecanismo, validado por lei federal, criaria um círculo virtuoso contra o crime.

Este é também o momento de uma rediscussão sobre as responsabilidades entre as três esferas da federação no combate à violência, como propõe o ministro da Defesa. É urgente um plano de reformas generalizadas para estancar o crime, a começar por mudanças radicais no sistema prisional. A população tem o direito, de imediato, a um mínimo de segurança.



Este é também o momento de uma rediscussão sobre as responsabilidades entre as três esferas da federação no combate à violência



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· A SEGURANÇA PUBLICA É UM DOS MAIORES PRO  - acir carlos ochove




18:07 Jayme quer aperfeiçoar o FIES
18:07 TJ suspende condenação e Fabris pode ir à reeleição
18:06 Brasil vence e se garante na 2ª fase
18:06 MPE oferece denúncia contra empresária
18:06 Candidatos fazem promessas na Fecomércio


18:05 Inter confirma recurso de Guerrero
18:05 80% dos gols saem no segundo tempo
18:04 Com elenco enxuto, Aguirre se desdobra com curingas
18:04 Corinthians se prepara para jogo com o Fla
18:03 Três cuiabanos irão treinar na China
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018