Terça feira, 23 de julho de 2019 Edição nº 14921 22/02/2018  










LIBERDADEAnterior | Índice | Próxima

Wesley deixa sede da PF em São Paulo

LETÍCIA CASADO e FLÁVIO FERREIRA
Da Folhapress – São Paulo e Brasília

O empresário Wesley Batista, sócio da JBS, deixou a sede da PF (Polícia Federal) em São Paulo ontem, às 2h51. Ele saiu do local em um carro preto com vidros escuros sem falar com a imprensa.

Os advogados de Wesley chegaram à sede da PF por volta das 21h e gastaram muito tempo resolvendo questões burocráticas. Segundo um dos defensores, a demora na liberação do empresário foi devido a PF entender a decisão. "Ele estava sereno, foi para casa", disse o advogado.

Wesley fica proibido de se ausentar do país, de participar de operações no mercado de capitais e deve usar monitoramento eletrônico, além de ter de comparecer em juízo periodicamente e manter endereço atualizado. Ele também está proibido de ter contato com outros réus.

A decisão foi tomada na terça por três dos cinco ministros do STJ (Supremo Tribunal de Justiça). O habeas corpus aos irmãos Wesley e Joesley Batista foi concedido na prisão por insider trading, sob a suspeita de terem se beneficiado com a compra de dólares e a venda de ações da JBS, aproveitando-se do impacto no mercado de seu acordo de delação premiada.

Joesley também foi beneficiado com o habeas corpus, mas, na prática, permanecerá preso porque tem uma prisão determinada pelo ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal).

O relator, Rogerio Schietti considerou a decretação da prisão preventiva acertada, mas destacou que como eles cumprem prisão há meses, o risco de reiteração no crime ficou enfraquecido e é possível substituir a prisão por outras medidas.

Os irmãos Batista foram presos em setembro quando tiveram os acordos de delação rescindidos pela PGR (Procuradoria-Geral da República).

A delação dos irmãos Batista e de outros funcionários da J&F, holding que detém a JBS, gerou a abertura de vários inquéritos no STF, além de duas denúncias contra o presidente Michel Temer e uma contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

"Foi uma vitória suada, mas muito merecida. Essa prisão era desnecessária", disse o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, que defende os irmãos Batista. "Agora é trabalhar para tirar a outra prisão do Joesley", afirmou.

Pierpaolo Bottini, também advogado de Wesley e Joesley e que fez a sustentação oral no STJ, destacou que a decisão foi "técnica, precisa e revelou que a justiça tem capacidade e bom senso de apartar-se de discussões emocionais para manter o respeito à lei."

RESCISÃO DA DELAÇÃO

No dia 4 de setembro, o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, determinou abertura de investigação sobre o acordo da JBS, que foi rescindido por parte da PGR dez dias depois. Ele apontou indícios de omissão de informações sobre práticas de crimes no processo de negociação do acordo.

Depois, procuradora-geral da República, Raquel Dodge, reiterou o pedido. Para ela, os colaboradores omitiram fatos criminosos de que tinham conhecimento.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:04 Estrutura administrativa é alterada
18:03 Procurador-geral da Justiça vai hoje a Assembleia
18:03 Substitutivo deve ser apresentado hoje na AL
18:02 Educadores se acorrentam em frente ao Palácio Paiaguás
18:01 Jovem é assassinada a tiros na frente dos filhos


18:00 Polícia prende homem que matou mulher com golpe de faca
18:00 Operação mira organização criminosa envolvida com o tráfico de drogas e roubos
17:59 Padrasto é preso suspeito de abusar de enteadas de 10 e 13 anos
17:58 Projeto de lei reduz em dez vezes alíquota para calcário agrícola
17:58 Governo exclui sociedade civil de conselho de políticas sobre drogas
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018