Terça feira, 25 de junho de 2019 Edição nº 14920 21/02/2018  










ENTREVISTA/MARTINHO DA VILAAnterior | Índice | Próxima

"Hoje não se justifica mais gravar um disco"

MARCO AURÉLIO CANÔNICO
Da Folhapress - Rio

O Carnaval de 2018 trouxe combinação de sorte para Martinho da Vila: seu aniversário coincidiu com o desfile da Vila Isabel na Sapucaí. Na última vez em que isso aconteceu, em 2013, a escola que ele carrega no nome sagrou-se campeã, com samba-enredo do qual ele era um dos autores.

Martinho fez 80 anos. Além de comemorar no desfile da Vila Isabel - na madrugada de segunda-feira passada -, ele também foi homenageado pela paulistana Unidos do Peruche, que teve o cantor como enredo. As comemorações das oito décadas de vida continuarão ao longo do ano (há documentário, musical e outros projetos em andamento).

Na conversa com a reportagem, nos jardins do condomínio em que vive, na Barra da Tijuca (zona oeste do Rio), o sambista insinuou estar entrando numa fase de pausa. Após 50 discos lançados, não vê mais sentido em gravar álbuns. Disse ainda estar de férias do noticiário, mas, provocado, falou sobre a condenação de Lula, os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) e a prisão de Sérgio Cabral, que ele conhece desde criança.



Folhapress - O corte de verba da prefeitura afetou as escolas?

MARTINHO DA VILA - Afetou mais as do grupo de acesso, de menor poder financeiro. As escolas competitivas têm patronos, patrocinadores. E são mais organizadas, também ganham muito dinheiro durante o ano.



Folhapress - Como o senhor viu as decisões do prefeito Crivella?

MARTINHO - Ele deve ser daqueles evangélicos mais radicais, que não gostam de Carnaval, acham que é coisa do diabo. Mas isso não é importante. Só achei que não foi legal porque, quando ele era candidato, reuniu o pessoal das escolas de samba para pedir apoio, falou que não ia mexer no Carnaval e mexeu.



Folhapress - Desde seu primeiro disco, em 1967, o senhor lança quase um por ano. Pretende manter o ritmo?

MARTINHO - Hoje não se justifica mais gravar um disco, não vende, a arrecadação não paga o custo de produção. Voltamos à época do compacto simples (risos). Você grava duas músicas e tenta botar nas redes sociais. Às vezes elas andam. Em 2016, eu já não ia mais gravar. Planejei fazer um disco particular, uma coisa miúda, só com violão e cavaquinho. E pensei também em fazer um disco da Vila Isabel, em que se contasse a história dela por meio dos sambas. Tinha que falar com a Sony Music, e o presidente, o (Paulo) Junqueiro, falou "não, Martinho, faz um disco que seja um disco bacana, a gente produz" (De Bem com a Vida, 2016). Aí falei do da Vila Isabel e ele me disse para fazer também (o recém-lançado, Alô, Vila Isabeeel!!!). Ouvindo, você tem noção de como ela foi fundada, o perfil dos componentes, a ansiedade de ser campeã.



Folhapress - Qual é a marca da Vila?

MARTINHO - Ela se mistura com o bairro (homônimo). As escolas, de maneira geral, primeiro foram morro, ficaram anos lá, e depois foram ganhando a simpatia do bairro. A Vila foi misturada desde cedo, antigamente diziam "a Vila é uma escola muito branca". Os componentes são apaixonados pelo bairro, pelo Noel Rosa, por mim. Tem uma estátua minha na porta da escola, entendeu (risos)? É uma coisa assim muito forte.



Folhapress - Sobre o que o senhor dará palestra na Faculdade de Direito da UFF?

MARTINHO - Acho que vou falar o que o povo está pensando. Por exemplo, o Supremo Tribunal Federal, eles (ministros) se digladiam muito. Estão parecendo é artista (risos). A ministra que é presidente do Supremo (Carmen Lúcia), foi eleita, foi logo no programa do Bial (Conversa com Bial, na Globo). Falam de assuntos que ainda vão decidir nos autos, já dão opinião. Só rindo, porque a coisa é tão triste que não tem jeito.



Folhapress - Antes da condenação do ex-presidente Lula, o senhor afirmou que ele não deveria se candidatar na eleição deste ano. Ainda pensa assim?

MARTINHO - Continuo achando que o Lula cumpriu um papel importante como presidente, um momento histórico, e que ele deveria andar pelo mundo, estudar, dar palestras e esquecer esse negócio de política. Mas ele insistiu, foi envolvido e tal. É tudo em função da candidatura, para tirá-lo da eleição.



Folhapress - Ele daria um bom enredo?

MARTINHO - Com certeza. Agora ninguém botaria, mas, no futuro ainda vai ser enredo. Ele é um cara do Nordeste, que estudou pouco, tem uma inteligência fora de série. Aí vai para São Paulo, vira líder sindical, é preso pela ditadura, resolve ser presidente, perde três vezes, depois ganha. Com o Lula, qualquer família pobre com filho pode falar "esse cara ainda pode ser presidente". Tudo isso dá um enredo fantástico. Essa fase atual eu não sei como colocaria. O enredo tem que contar a história inteira, então é melhor não fazer agora.



Folhapress - O documentário dedicado ao senhor (O Samba, 2014) traz um depoimento de Aécio Neves. Como o conheceu?

MARTINHO - Ele é muito amigo, conheci quando ainda não tinha ocupado cargo político. O Sérgio Cabral também, conhecia desde pequeno, por causa da família. A gente foi para a Rússia, para um festival da juventude socialista (12º Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes, em 1984). Eles se tornaram políticos logo depois e eram dois jovens de quem os cariocas gostavam muito. Sonhava-se com um dos dois na Presidência. O Aécio chegou a concorrer, mas depois... Deu no que deu. O Cabral também. Fico triste, mas fui bastante amigo deles.



Folhapress - Decepcionou-se com eles?

MARTINHO - É uma decepção total, né? É como um fã meu que não pensa que eu vou cometer um ato baixo, entendeu? Se acontecesse isso, que Deus me livre, o cara ficaria triste, não conseguiria festejar a minha derrota. Eu também não consigo festejar a prisão do Cabral. Quando ele foi preso com os pés algemados, aquilo me causou um mal-estar tão grande. Ele merece estar preso, tenho certeza. Mas aquilo é um absurdo.



Folhapress - O senhor é um ícone e difusor da cultura negra. Como é ser negro no Brasil hoje?

MARTINHO - Muito melhor do que quando eu era criança e adolescente. Se eu andasse com esse cabelo assim que eu tô, a polícia me parava. Tinha de andar de cabelo comportadinho. De barba, nem pensar. A polícia ia em cima e, se eu não tivesse emprego, era preso por vadiagem. Era uma coisa terrível. Os militantes do movimento negro conseguiram reverter bastante esse quadro, embora não esteja no ponto ideal. Agora, nosso problema é trabalho. Até hoje temos empresas que nem empregam negros. Você vê o retrato do governo do Brasil, de qualquer Estado ou prefeitura, não tem negros.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:40 MP denuncia Arcanjo e mais 32 envolvidos com jogo do bicho
18:39 O papel da assessoria de imprensa
18:38 Ferrovia para trazer
18:38 Viva João Batista!
18:37 A tragédia da educação


18:37 Avante Luverdense
18:36 Disney lança série adolescente com primeira protagonista brasileira
18:36
18:35 Ian McEwan: estamos nos afogando na irracionalidade
18:33 Paulo Fernandes volta à sua terra natal para show e gravação de DVD
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018