Sexta feira, 26 de abril de 2019 Edição nº 14918 17/02/2018  










CAMINHO DO VLTAnterior | Índice | Próxima

Palmeiras plantadas na Fernando Corrêa

Iniciativa faz parte do programa "Verde Novo", lançado ano passado pelo prefeito Emanuel Pinheiro

DINALTE MIRANDA/DC
A Prefeitura de Cuiabá deu início ao plantio de 160 palmeiras imperiais ao longo do canteiro central da Avenida Fernando Corrêa
JOANICE DE DEUS
Da Reportagem

Após a retirada dos blocos de concreto ou dos famosos gelos baianos, a Prefeitura de Cuiabá deu início ao plantio de 160 palmeiras imperiais, ao longo do canteiro central da Avenida Fernando Corrêa da Costa, via por onde deverá passar um dos eixos do veículo leve sobre trilhos (VLT), obra que já custou aos cofres públicos mais de R$ 1 bilhão, está parada e deveria ter sido entregue ainda na Copa do Mundo de 2014.

A iniciativa faz parte do programa "Verde Novo", lançado ano passado pelo prefeito Emanuel Pinheiro, com a meta de plantar 300 mil mudas de árvores durante toda a gestão. Das 160 palmeiras, 40 mudas são do Horto Florestal, administrado pelo município, e 120 doadas pela iniciativa privada.

A prefeitura alegou que como ganhou parte das mudas não é possível quantificar o valor ou custo com o plantio, que visa revitalizar o canteiro central, de onde inúmeras árvores foram derrubadas para a construção do VLT.

Mas, frente à indecisão do futuro do novo modal, a administração municipal decidiu recuperar as áreas destruídas pelas obras. “Cuiabá não pode pagar o pato desse problemaço que se transformou o VLT, porque passou a ser obstáculo ao embelezamento urbano, paisagismo e até desenvolvimento urbano”, afirmou Pinheiro, em outubro do ano passado, durante lançamento da obra da Unidade Básica de Saúde (UBS), no bairro Jockey Clube.

A assessoria da prefeitura informou ainda que a arborização dos espaços urbanos visa ainda preencher os vazios que atualmente existem na capital e trata-se de um trabalho diretamente vinculado ao exercício da cidadania, promovendo o desenvolvimento sustentável e ambiental, através do engajamento de toda a sociedade.

“Aliar o desenvolvimento socioeconômico à formação de uma genuína consciência ecológica e ambiental na população cuiabana é o grande propósito do projeto Verde Novo 300”, informou a administração. Segundo a assessoria, ainda não há previsão de canteiros ou outras vias serem contempladas com o projeto.

Para a secretária Josileia Mara da Silva Ferreira, 32 anos, o plantio é mais uma demonstração de que a conclusão das obras do novo modal está longe de acontecer. "Já gastaram tanto dinheiro que hoje sou contra a conclusão do VLT. Agora, acho que o plantio dessas palmeiras é somente para 'tampar o sol com a peneira'. Esse VLT foi prometido ainda para 2014. Afinal, cadê o dinheiro do VLT?", criticou.

A secretária também acredita que ao contrário de palmeiras a prefeitura deveria ter optado por outras espécies de árvores. "Deveriam plantar coqueiros e até pés de manga, que além de sombra dão frutos", sugeriu.

Conforme a prefeitura, a escolha da palmeira se deve ao fato de ser uma árvore que não costuma soltar folha e que praticamente não causa sujeira. Lembrou ainda que a avenida tem um fluxo intenso de veículos, o que acaba por ser uma espécie de obstáculo para limpeza em caso de árvores frondosas ou que dão frutos.

No início deste mês, o governador do Estado, Pedro Taques, manteve a rescisão unilateral do contrato firmado para implantação do VLT. Com isso, a Secretaria de Estado das Cidades (Secid-MT) está autorizada a retomar a elaboração do edital para contratação de um novo consórcio que irá tocar as obras do modal.

Os trâmites estavam parados devido à liminar concedida em janeiro pela desembargadora do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT), Helena Maria Bezerra Ramos, que suspendeu provisoriamente o rompimento contratual com o Consórcio VLT, que vinha tocando as obras.

A elaboração do edital e o processo rescisório do contrato com o consórcio está sendo conduzido por uma comissão mista constituída por representantes da Secid, Procuradoria-Geral do Estado (PGE) e Controladoria-Geral do Estado (CGE) e instituída em outubro de 2017. A partir de agora, essa comissão volta a dar andamento nos trabalhos da concorrência pública que possibilitará a retomada e conclusão das obras do modal, bem como na condução da medição rescisória com o Consórcio VLT.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:06 Cabo ingressa com HC na Justiça
19:06 Eder recebe nova condenação: 24 anos
19:06 Reunião de Pedro Taques com desembargadores é adiada
19:06 “O Emanuel levou R$ 20 mil”, disse Silvio
19:05 Silvio confirma propina para prefeito


18:26 BOA DISSONANTE
18:26 Governo propõe aumentar o contingenciamento
18:25 Fim dos conflitos agrários
18:25 A justiça e a política
18:24 O poder do jornalismo
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018