Terça feira, 16 de julho de 2019 Edição nº 14913 08/02/2018  










LULA/RECIBOAnterior | Índice | Próxima

Moro decide sobre suposta falsidade

ANA LUIZA ALBUQUERQUE e CATIA SEABRA
Da Folhapress – Curitiba

O juiz Sergio Moro decidiu ontem que a suposta falsidade ideológica dos recibos apresentados pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva somente será avaliada na sentença da ação penal que envolve o Instituto Lula.

Ele afirmou que é "inviável" fazer este julgamento sem se aprofundar nas provas e na apreciação do mérito da ação penal.

"Depende a questão da resolução de várias questões de fatos na ação penal, se dinheiro da Odebrecht de fato custeou a aquisição do apartamento, se Glaucos da Costamarques foi ou não utilizado como pessoa interposta e quem falta com a verdade acerca do pagamento ou não dos aluguéis, Glaucos da Costamarques ou o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva?", escreveu.

Assim, Moro julgou improcedente o incidente de falsidade apresentado pelo Ministério Público, afirmando que a questão ideológica será esclarecida somente na sentença da ação penal.

Os recibos foram apresentados pela defesa como prova do pagamento do aluguel do apartamento vizinho ao que o ex-presidente mora, em São Bernardo do Campo.

O Ministério Público diz que o imóvel foi comprado com dinheiro da Odebrecht por meio de um laranja, o empresário Glaucos da Costamarques. O apartamento teria sido ocupado pelo presidente, que nunca teria pagado aluguel pelo uso.

A defesa do petista, ao ser cobrada por Moro para mostrar provas do pagamento da locação, apresentou então em setembro um conjunto de recibos assinados por Costamarques.

O empresário afirmou a Moro que assinou uma série de recibos de anos anteriores enquanto esteve internado no Hospital Sírio-Libanês, no fim de 2015.

Ele disse que firmou contrato de aluguel com Marisa Leticia, mulher de Lula, mas que não recebeu qualquer depósito até 2015, quando foi visitado no hospital pelo advogado Roberto Teixeira, amigo do ex-presidente, e pelo contador João Leite.

Na decisão relativa ao incidente de falsidade criminal apresentado pelo Ministério Público, Moro avaliou que os recibos não são materialmente falsos, ou seja, que não foram adulterados. O juiz ressaltou que Costamarques declarou que assinou os recibos.

Moro voltou a dizer que a prova pericial se mostrou inútil neste caso. "No máximo, ela poderia confirmar que parte dos recibos foi assinada extemporaneamente, mas isso não levaria à conclusão necessária de que os aluguéis não foram pagos."

DEFESA

Reunidos ontem, em Brasília, dirigentes de cinco partidos de centro-esquerda decidiram criar ainda em fevereiro uma frente contra reformas e em defesa do direito de Lula concorrer à Presidência.

Entre os cerca de 20 participantes, estavam, além de petistas, o líder do PDT na Câmara, André Figueiredo (CE), o ex-governador João Capibaribe (PSB), o deputado Ivan Valente (PSOL-SP) e a presidente do PC do B, Luciana Santos (PE).

A data para lançamento da Frente em Defesa da Democracia e Soberania ainda não foi fixada.

Ao discursar, o senador Roberto Requião (MDB-PR) afirmou que essa será uma frente "contra o veto judicial ao Lula", além de resistência à reforma da Previdência e à privatização da Eletrobrás.

A reunião foi na sede do PDT em Brasília.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:41 PMs farão reinterrogatório hoje na Justiça
18:40 Suspeito de roubar fazenda é preso em Poconé
18:39 Polícia prende quatro autores de homicídio
18:38 Autor de 12 assaltos em ônibus é preso em VG
18:37 Ladrão é morto durante tentativa de assalto


18:36 Emanuel avisa que pagamento do RGA "não se discute"
18:36 BOA DISSONANTE
18:34 Custos na aviação brasileira
18:34 Goleada
18:33 Industrializados: Brasil perde espaço
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018