Sábado, 25 de maio de 2019 Edição nº 14913 08/02/2018  










Anterior | Índice | Próxima

PSDB fecha questão e não vai punir ninguém

Da Folhapress – São Paulo

A Executiva Nacional do PSDB decidiu onten reafirmar o fechamento de questão e orientou que os 46 deputados da legenda votem pela aprovação da reforma da Previdência, mesmo com a bancada dividida na Câmara. O presidente da legenda e governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, garantiu, no entanto, que quem votar contra não sofrerá nenhuma sanção interna. As informações são da Agência Brasil.

A medida já havia sido aprovada na reunião da Executiva em dezembro. O governador de Goiás, Marconi Perillo, foi um dos defendeu punição àqueles que votarem contra a proposta, mas foi voto vencido. "Se não aprovar a reforma da Previdência agora, o Brasil vai quebrar", alertou Perillo.

Alguns governadores presentes à reunião em Brasília destacaram a necessidade de fazer reforma da Previdência também nos Estados. O governador Pedro Taques, do Mato Grosso, adiantou que fará uma reforma previdenciária no Estado nos próximos três meses, elevando a contribuição de 11% para 13%.

PEDIDO

Representantes das centrais sindicais reuniram-se ontem com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, para pedir que a reforma da Previdência não seja votada este ano. A previsão é que a matéria comece a ser discutida no dia 19. As informações são da Agência Brasil.

As centrais pedem que a questão seja bem discutida com a sociedade nas eleições e que fique a cargo do próximo governo. A reunião ocorreu na residência oficial de Maia em Brasília.

"Na medida em que [a reforma] tiver uma derrota acachapante na Câmara, com certeza as bolsas vão cair, o dólar vai subir, será muito ruim para a economia. É bom para o Brasil que a discussão seja feita nas próximas eleições", defendeu o deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força Sindical (SD-SP).

"Não há possibilidade nenhuma de esse assunto que a maioria da sociedade ainda não compreendeu direito e quem compreendeu sabe que será prejudicial se for votado. É preciso retirar da pauta e fazer um amplo debate com a sociedade", disse a vice-presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Carmen Helena Ferreira Foro.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:46 BOA DISSONANTE
19:45 Professores aprovam greve a partir de segunda
19:42 Educadores e a reforma da previdência
19:41 Vitória da sensatez
19:41 Um SIM à adoção


19:40 O Traidor concorre à Palma de Ouro com comentário político e retrato da máfia
19:40
19:39 Lucy Alves prepara disco mais autoral, dançante e com rifs eletrônicos
19:38 Jeza da Pedra prepara disco com crônicas musicais do Rio
19:37 Malcom terá noite sinfônica neste sábado
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018