Domingo, 18 de agosto de 2019 Edição nº 14913 08/02/2018  










Anterior | Índice | Próxima

Controle frágil

As medidas anunciadas pela Agência Nacional de Telecomunicações para combater o roubo de celulares não resistiram ao primeiro teste. O órgão pretendia tirar de circulação, a partir de maio, cerca de 30 milhões de aparelhos bloqueados.

Reportagem veiculada pelo Fantástico, domingo passado, expôs a fragilidade dos controles sobre esse universo digital. Por valores que variam entre R$ 80 e R$ 200, técnicos de cidades como Rio de Janeiro e São Paulo se dispuseram a driblar os bloqueios, liberando o uso de celulares que deveriam estar fora de circulação. É verdade que cabe aos criminosos a culpa por seus delitos, bem como aos compradores que adquirem aparelhos por preços muito abaixo dos de mercado e sem nota fiscal. Mas, por outro lado, como órgão de fiscalização, a Anatel tem o dever de investir em sistemas eficientes de fiscalização e controle.

Mais do que o valor econômico, o foco da ação do poder público deve estar voltado para conter a violência associada a esse tipo de crime. São inaceitavelmente comuns relatos de agressões e mortes vinculadas ao roubo de celulares em todo o país. Interromper essa corrente de contravenção influiria positivamente na segurança dos brasileiros que hoje têm medo de caminhar na rua.

O Brasil tem mais números de telefone celular do que habitantes, o que comprova a relevância desse ecossistema de comunicação no país. Ações enérgicas são a única forma de coibir o crime e impedir que milhões de cidadãos e cidadãs sejam lesados. Essas medidas exigem qualificação humana e investimentos em tecnologia, um desafio que não é apenas da Anatel, mas de todas as agências reguladoras quando a digitalização da vida cotidiana assume dimensões crescentes e irreversíveis.

Com a reportagem do Fantástico, o jornalismo cumpre, mais uma vez, com uma das suas mais fundamentais missões, que é a de contribuir para a evolução da sociedade, apontando falhas e abrindo o caminho para as soluções.



As medidas anunciadas pela Agência Nacional de Telecomunicações para combater o roubo de celulares não resistiram ao primeiro teste



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:38 Mauro Mendes critica falta de planejamento de Taques
18:38 15 votam para arquivar sindicância
18:38 Governo paga funcionalismo hoje
18:37 Cheques complicam defesa de Prefeito
18:15 BOA DISSONANTE


18:14 Lula ainda lidera em todos os cenários
18:13 Tire o “s” da crise
18:13 Cibercrime
18:13 A nova novela das oito!
18:12 Prata da casa
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018