Sábado, 24 de fevereiro de 2018 Edição nº 14861 18/11/2017  










Anterior | Índice | Próxima

Dinheiro do FEX pode atrasar, diz Wellington Fagundes

Da Reportagem

Mato Grosso poderá ficar sem receber este ano os R$ 500 milhões do FEX, que é a compensação das perdas ocasionadas pela Lei Kandir, que isenta produtos para exportação de pagamento de Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). O pagamento do FEX é feito pela União, que deveria encaminhar um projeto de lei, em regime de urgência, ou editar uma Medida Provisória para autorizar o pagamento.

De acordo com o senador Wellington Fagundes (PR), o governo encaminhou um projeto de lei para o Congresso Nacional, porém não pediu regime de urgência, o que pode atrasar o recebimento deste recurso.

"Isso pode demorar de três a quatro meses, pois precisa passar em todas as comissões da Câmara dos Deputados, votar no plenário e depois ir para o Senado, então isso demora muito. Isso tem que ser tratado de forma mais urgente, o único caminho é por Medida Provisória", afirmou ontem o senador, em entrevista à Rádio Capital.

O recurso seria importante para garantir um alívio financeiro para o Estado e as prefeituras de Mato Grosso, que tem direito de 25% do valor do FEX. No mês passado, o governador Pedro Taques (PSDB) se reuniu com o presidente da República, Michel Temer (PMDB), que teria garantido o recurso ainda este ano.

"O ministro da Fazenda [Henrique Meirelles] nunca manifestou a existência desse entendimento. Na véspera do feriado nós protocolamos um pedido ao ministro para o governo editar uma MP", disse o senador.

Foi criada uma Comissão no Congresso Nacional para debater a regulamentação do pagamento do FEX. A comissão é presidida por Fagundes, que propôs um projeto de lei para regulamentar a Lei Kandir. No entanto, a medida não tem apoio dos demais parlamentares, principalmente de Estados como São Paulo.

Os Estados que mais perdem recursos com a Lei Kandir são os Estados de Mato Grosso, Pará e Minas Gerais. "Nós estamos recebendo quase R$ 500 milhões por ano. Isso é fundamental no orçamento das prefeituras do Estado", finalizou o parlamentar.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:39 Desembargadores evitam diálogo com Taques
19:39 STF quebra sigilo bancário da empresa de Carlos Avalone
19:39 Silval diz que foi vítima de extorsão
19:34 24 sábado Lula critica o juiz Sérgio Moro
19:34 BOA DISSONANTE


19:16 Bitcoins e sua regulamentação
19:16 Luis-Philippe, oráculo cuiabano
19:15 De edição
19:15 Corporativismo exacerbado
19:14 Sistema de segurança falida
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018