Quarta feira, 13 de dezembro de 2017 Edição nº 14861 18/11/2017  










CRISE NO CAIXAAnterior | Índice | Próxima

Governo estuda ‘revender’ dívida

Ideia é reduzir o pagamento da taxa de juros paga anualmente de 5% para 2% ao Bank of America

GCOM
Gustavo de Oliveira, secretário de Fazenda: a venda da dívida tem objetivo de reduzir a taxa de juros paga anualmente
RAFAEL COSTA
Da Reportagem

No pacote de contenção de despesas que o Estado planeja para garantir o equilíbrio das contas públicas nos próximos anos e evitar um colapso financeiro, está a tentativa de “revender” a dívida mantida com o Bank of América, cuja transação foi firmada na gestão do ex-governador Silval Barbosa (PMDB).

Uma das alternativas avaliadas pelo Estado é discutir essa possibilidade com diretores do Banco Mundial (Bird). De acordo com o secretário de Estado da Fazenda (Sefaz), Gustavo de Oliveira, a venda da dívida tem objetivo de reduzir a taxa de juros paga anualmente de 5% para 2%. Assim, o Estado acredita que possa ter melhor controle a respeito desta conta que é paga em dólar.

Taques revelou que os diálogos com a equipe econômica do Banco Mundial estão adiantados e aposta na concretização deste acordo para ganhar alívio financeiro e assim manter dinheiro em caixa que possa atender as demandas da população mato-grossense, notadamente nos setores considerados essenciais da administração pública como educação, saúde, segurança pública, infraestrutura e assistência social.

“Já está muito bem encaminhada a revenda dessa dívida. Nós pagamos R$ 120 milhões no mês de março e outros R$ 120 milhões em setembro só referente a parcelas dessa dívida. Agora, a ideia é conseguir a renegociação desses valores com juros bem menores”, disse.

De acordo com Taques, o atual acordo sacrifica as finanças públicas de Mato Grosso e se revela totalmente inviável no atual quadro econômico do Estado. De acordo com dados da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), Mato Grosso arrecadou, até o momento, cerca de R$ 1,7 bilhão a menos do que estava previsto na Lei Orçamentária Anual (LOA) para 2017.

A previsão da receita para este ano era de R$ 18,49 bilhões, 11,33% a mais do que o orçamento de 2016, que foi de R$ 16,5 bilhões. No entanto, em decorrência da crise econômica do país que reflete diretamente nos Estados, somente na última semana de outubro o Estado deixou de arrecadar aproximadamente R$ 41 milhões do que estava programado.

“Neste momento de dificuldades pagamos mais de R$ 600 milhões referente ao valor dessa dívida. Se estivéssemos investindo esse dinheiro no Estado, não teria crise na saúde pública. Poderíamos investir muito mais em parceria com os municípios”, reforçou Taques.

A transação do Estado com o Bank of América, o que permitiu a renegociação de parte da dívida estadual com a União foi conduzida na gestão do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) com a interlocução direta do ex-secretário de Fazenda Eder Moraes.

A dívida do estado de Mato Grosso com a União foi renegociada em 2012. O Bank of America “comprou” US$ 478,9 milhões da dívida que está programada para ser quitada em 18 parcelas semestrais e consecutivas, com termo inicial em 2013 e final em 2022.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:55 Juiz se declara incompetente para conduzir ação penal
19:55 Assembleia aprova lei orçamentária em 1º turno
19:55 Câmara aprova recriação de Secretaria extraordinária
19:54 FEX deve ser votado hoje no Senado
19:54 Dissidentes do PSB ainda não decidiram para onde vão


19:54 Trabalhos da CPI causa desentendimento entre vereadores
19:53 Lucimar Campos tem 80% de aprovação
19:30 Lei que autoriza fechamento de ruas é aprovada na Câmara
19:30 BOA DISSONANTE
19:29 O paracetamol e os riscos à sua gravidez
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2015