Sábado, 18 de novembro de 2017 Edição nº 14858 14/11/2017  










SAÚDEAnterior | Índice | Próxima

Diabetes atinge 184 mil em MT

Hoje é comemorado o Dia Mundial do Diabetes, data criada para conscientizar a população sobre a importância do diagnóstico precoce

ARQUIVO
A criação do Dia Mundial é uma tentativa de alertar as pessoas que o diabetes é uma doença crônica
JOANICE DE DEUS
Da Reportagem

Hoje (14), é comemorado o Dia Mundial do Diabetes, data criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a fim de conscientizar a população sobre a importância do diagnóstico precoce e tratamento da patologia. Só em Mato Grosso, a doença atinge cerca de 184 mil pessoas, entre adultos e crianças.

No Estado, os portadores do diabetes ganharam, ontem, um aliado na luta pela garantida dos direitos e ao tratamento da doença, que no período de 2008 a 2012 foi responsável por mais de 12 mil internações em todo território mato-grossense, conforme dados do Sistema de Internações Hospitalar do SUS (SIH/SUS).

Trata-se da Associação Mato-grossense de Atenção ao Diabético (AMAD), fundada com o desafio de minimizar o sofrimento das pessoas que convivem com o diabetes e com a falta de apoio, a exemplo da constante falta de insulina na Farmácia de Alto Custo, em Cuiabá.

A entidade tem à frente Andréia Kruger, mãe de David, 07 anos, diagnosticado com o diabetes tipo 1 desde os dois anos. Com sede na capital, a associação fará o levantamento quantitativo de diabéticos e oferecerá orientações jurídicas e de saúde, gratuitamente.

Em todo país, a doença atinge 14 milhões de indivíduos. Nesse universo, cerca de 1 milhão de pacientes desenvolverão úlceras e 200 mil precisarão passar por amputações, das quais cerca de 40 mil levam o indivíduo a óbito. Porém, metade dos portadores não sabe que tem o problema.

O risco de uma pessoa com diabetes sofrer uma amputação é 25 vezes maior do que o de um indivíduo sem a doença, sendo que cerca de 10% dos pacientes, podem sofrer amputação de membros inferiores, causados pelo pé diabético (infecção, ulceração ou qualquer tipo de destruição dos tecidos dos pés).

“Esses números são muito preocupantes. Infelizmente, ao não controlar adequadamente a glicemia (nível de açúcar no sangue) e o uso correto de medicamentos, criam-se condições para o aparecimento de complicações que afetarão sensivelmente a qualidade de vida do paciente e da sua família”, esclareceu o presidente da Associação Nacional de Atenção ao Diabetes (ANAD), Fadlo Fraige Filho, por meio da assessoria.

Entre as complicações microvasculares da doença estão os danos nos nervos, que podem levar à diminuição da sensação de dor e agravar feridas existentes nos pés, nos rins e nos olhos, que podem evoluir para insuficiência renal e cegueira, respectivamente.

A criação do Dia Mundial é uma tentativa de alertar as pessoas que o diabetes é uma doença crônica, sendo os sintomas físicos mais comuns dessa patologia a fome excessiva associada à perda de peso, muita sede, vontade de urinar, dores nas pernas e má circulação.

Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Diabetes (Sbem), o diabetes é caracterizado pela deficiência da produção de insulina pelo organismo. O problema envolve o metabolismo da glicose no sangue, podendo ser apresentado de várias maneiras.

O diabetes do tipo 1 surge no início da vida ou na fase adulta, apesar de haver casos descobertos em pessoas de idade avançada. Sua característica principal é a incapacidade total do pâncreas de produzir insulina, levando o paciente a precisar tomá-la diariamente de forma injetável.

Já o tipo 2 é o mais comum e geralmente se manifesta em idades mais avançadas. Na maioria das vezes, o pâncreas ainda produz a insulina, mas não o suficiente para garantir as funções regulares. Assim o paciente tem de usar medicamentos, que desempenharão as funções que o órgão já não realiza sozinho. A partir do diagnóstico da doença, a pessoa deve controlar a glicemia, já que hiperglicemia, ou seja, altas taxas de açúcar no sangue, pode causar sérios danos à saúde do diabético.

A mudança do estilo de vida é primordial para prevenir e regular a doença. Cuidados com a alimentação, prática de exercícios físicos e disciplina devem se tornar hábitos, sobretudo, para quem tem tendência, mesmo que genética, a ter doença.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:19 Estado consulta União sobre prazo
19:19 Aliados de prefeito confirmados em CPI
19:18 Ferramenta permitirá cidadão controlar gastos públicos
19:18 Inquérito de conselheiros do TCE vai para o STJ
19:18 Estado economizou R$ 1 bilhão em gastos


19:17 Dinheiro do FEX pode atrasar, diz Wellington Fagundes
19:17 Governo estuda ‘revender’ dívida
19:09 Bosaipo é condenado a 18 anos
19:09 BOA DISSONANTE
19:08 Família: a construção da vida
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2015