Sábado, 18 de novembro de 2017 Edição nº 14844 21/10/2017  










ARCA DE NOÉAnterior | Índice | Próxima

Juiza Selma reinterrogará José Riva em fevereiro

Da Reportagem

A juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Selma Arruda, designou para 28 de fevereiro de 2018 o reinterrogatório do ex-deputado estadual José Riva em uma ação penal relativa à Operação Arca de Noé.

A decisão da magistrada atendeu pedido da defesa conduzida pelo advogado Rodrigo Mudrovitsch. A tendência é que Riva prossiga confessando a participação em esquemas de desvio de dinheiro público enquanto atuou na Assembleia Legislativa.

Com cinco mandados consecutivos e figurando na relação de um dos políticos mais expressivos da história recente de Mato Grosso, Riva alternou nos cargos de presidente e primeiro secretário enquanto permaneceu por 20 anos na Assembleia Legislativa.

De acordo com a denúncia do Ministério Público Estadual (MPE), Riva autorizava a emissão de cheques para pagamentos de empresas fantasmas pela prestação de serviços que jamais foram prestados. Esses cheques viriam a ser trocados na factoring de propriedade do bicheiro João Arcanjo Ribeiro.

As investigações apontam que a quantia desviada dos cofres públicos, em valores atualizados, ultrapassa a margem de R$ 500 milhões. O dinheiro serviria para cobrir despesas de campanhas eleitorais não contabilizadas perante a Justiça Eleitoral e, ao mesmo tempo, favorecer o enriquecimento ilícito de agentes políticos.

Em março deste ano, Riva prestou depoimento a juíza Selma Arruda na ação penal relacionada a Operação Imperador que lhe atribui a responsabilidade pela suspeita de um desvio de R$ 62 milhões dos cofres do Legislativo por meio de fraudes na compra de material de escritório.

Naquela ocasião, entregou uma relação de 33 políticos, incluindo deputados e ex-deputados, que teriam sido favorecidos com propina mensal para não contrariar interesses do Executivo, favorecendo assim os ex-governadores Dante de Oliveira (já falecido), Blairo Maggi (PP) e Silval Barbosa (PMDB).

Riva ainda detalhou que R$ 2,5 milhões desviado dos cofres da Assembleia Legislativa serviu para auxiliar o ex-deputado Sérgio Ricardo a comprar uma vaga de conselheiro no Tribunal de Contas do Estado (TCE) que antes pertencia a Alencar Soares.

A decisão de Riva em confessar crimes nos depoimentos é considerada uma estratégia para atenuar a pena em eventuais sentenças condenatórias, conforme prevê a legislação. Até o momento, Riva já foi condenado em dois processos criminais. A soma das penas ultrapassam 30 anos de prisão.

Nos bastidores, se comenta que Riva estaria negociando um termo de colaboração premiada com a Procuradoria Geral da República (PGR). No entanto, a concretização do acordo esbarraria na dificuldade de devolver, de imediato, R$ 80 milhões aos cofres públicos e aceitar permanecer dois anos preso em regime fechado.

Nas últimas semanas, Riva oficializou a desistência de recursos impetrados no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e Supremo Tribunal Federal (STF), o que seria indícios de uma delação premiada. Por outro lado, seus advogados não confirmam e se limitam a dizer que se trata de uma “nova estratégia de defesa”. (RC)



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:19 Estado consulta União sobre prazo
19:19 Aliados de prefeito confirmados em CPI
19:18 Ferramenta permitirá cidadão controlar gastos públicos
19:18 Inquérito de conselheiros do TCE vai para o STJ
19:18 Estado economizou R$ 1 bilhão em gastos


19:17 Dinheiro do FEX pode atrasar, diz Wellington Fagundes
19:17 Governo estuda ‘revender’ dívida
19:09 Bosaipo é condenado a 18 anos
19:09 BOA DISSONANTE
19:08 Família: a construção da vida
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2015