Sábado, 18 de novembro de 2017 Edição nº 14841 18/10/2017  










CORRÊA/DELAÇÃOAnterior | Índice | Próxima

Corrêa: Lula forçou nomeação de Costa

LUIZ VASSALLO e RAFAEL MORAES MOURA
Da Agência Estado – São Paulo

O ex-deputado Pedro Corrêa (PP-PE) afirmou em delação premiada que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pressionou o então presidente da Petrobras, José Eduardo Dutra, e os membros do Conselho de Administração da estatal pela nomeação de Paulo Roberto Costa para a Diretoria de Abastecimento. A pressão, segundo o deputado em depoimento em vídeo divulgado no site da Câmara, teria acontecido durante reunião no Palácio do Planalto.

Segundo Corrêa, além dele, de Lula e de Dutra, participaram da reunião o ex-deputado e então líder do PP, Pedro Henry, o ex-deputado e tesoureiro do PP José Janene, o ex-ministro das Relações Institucionais Aldo Rebello e o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu.

Na reunião, segundo ele, "o principal diálogo" entre Lula e Dutra foi relacionado à demora na nomeação de Costa. "Lula disse a Dutra para mandar um recado aos conselheiros que, se Paulo Roberto Costa não estivesse nomeado em uma semana, ele iria demitir e trocar os conselheiros da Petrobras", relatou.

Corrêa completou dizendo que "pouco tempo depois da reunião", a nomeação de Costa para a Diretoria de Abastecimento da Petrobras foi aprovada e o PP, que tinha interesse e pressionava o governo obstruindo as votações no Congresso, "abandonou a obstrução da pauta".

Cassado no Mensalão e condenado na Lava Jato a 29 anos e cinco meses, Corrêa já havia incriminado Lula em depoimento como testemunha no âmbito do processo envolvendo o triplex no Guarujá, no qual o ex-presidente foi condenado a 9 anos e seis meses de prisão. Sua delação foi homologada pelo Supremo Tribunal Federal em agosto.

Os vídeos e anexos da delação do ex-parlamentar foram tornados públicos no dia 29 de setembro, também no site da Câmara. Os arquivos integram uma pasta relacionada à segunda denúncia do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot contra o ex-presidente e outros peemedebistas por organização criminosa e obstrução da Justiça. O material foi enviado pelo Supremo Tribunal Federal à Casa no dia 22 de setembro.

ANTIGO

Os advogados de defesa do ex-presidente afirmaram, em nota, que o depoimento de Corrêa é "antigo" e "segue a lógica de que réus presos na Operação Lava Jato precisam inventar acusações contra o ex-presidente Lula para destravar delações com o Ministério Público e receberem benefícios, seja para deixar a prisão, seja para obter o desbloqueio patrimonial".

"Tanto Paulo Roberto Costa quanto Nestor Cerveró (ex-diretor da área Internacional da Petrobras) já disseram em depoimentos como testemunhas desconhecer qualquer participação de Lula em irregularidades na Petrobras", completou o texto.

A nota assinada pelo advogado Cristiano Zanin Martins apontou ainda que "o próprio juiz Sérgio Moro já reconheceu que não há qualquer elemento que possa vincular o ex-presidente Lula a recursos provenientes de contratos da Petrobras". O texto encerrou reafirmando que Lula é vítima de "lawfare", "que consiste no uso indevido das leis e dos procedimentos jurídicos para fins de perseguição política".



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:19 Estado consulta União sobre prazo
19:19 Aliados de prefeito confirmados em CPI
19:18 Ferramenta permitirá cidadão controlar gastos públicos
19:18 Inquérito de conselheiros do TCE vai para o STJ
19:18 Estado economizou R$ 1 bilhão em gastos


19:17 Dinheiro do FEX pode atrasar, diz Wellington Fagundes
19:17 Governo estuda ‘revender’ dívida
19:09 Bosaipo é condenado a 18 anos
19:09 BOA DISSONANTE
19:08 Família: a construção da vida
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2015