Quarta feira, 13 de dezembro de 2017 Edição nº 14824 21/09/2017  










Anterior | Índice | Próxima

Estudo traz uma análise dos frente aos países da OCDE

Da redação

O Centro de Liderança Pública (CLP), em parceria com a Economist Intelligence Unit e Tendências Consultoria Integrada, apresenta nesta sexta edição do Ranking de Competitividade dos Estados a análise e capacidade competitiva de todos os estados brasileiros em 66 indicadores, agrupados em 10 pilares.

Entre os indicadores, 35 são comparados com dados internacionais de 34 países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Itens como infraestrutura, educação, inovação, potencial de mercado, segurança pública, solidez fiscal, sustentabilidade social, sustentabilidade ambiental compõem o quadro.

Em 2017, o Brasil apresentou pedido formal para ingressar na OCDE. Para ser aceito, o Brasil, que está engajado nesse objetivo desde 1994, precisa da aprovação dos 34 países que hoje compõem a organização, além de atender às demandas de transparência e tributação exigidas pela OCDE. Frente a esse objetivo, o Ranking traz uma análise do nível de transparência e da situação fiscal de cada um dos estados brasileiros.

Para a análise de Solidez Fiscal dos estados são utilizados indicadores como Capacidade de Investimento, Solvência Fiscal e Resultado Nominal, que levam em conta dimensões distintas, mas interrelacionadas, de sustentabilidade fiscal. Levando em conta a análises desses indicadores, o estudo deste ano aponta uma queda acentuada dos estados do Sul e Sudeste, principalmente no Espírito Santo, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, e um crescimento dos estados do Nordeste, como Ceará, Alagoas e Bahia ocupando os primeiros lugares.

No que diz respeito à Eficiência da Máquina Pública, onde se levam em conta custos do executivo, legislativo e judiciário, além da transparência do gasto público e a eficiência do judiciário, os estados do Sul e Sudeste apresentam, de certa forma, um equilíbrio entre os recursos econômicos e os custos de manutenção do governo. A análise feita aponta os estados do Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais como as Unidades Federativas mais bem colocadas neste pilar em 2017. Em contrapartida, nas piores colocações estão os estados de Roraima, Amapá e Tocantins.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:55 Juiz se declara incompetente para conduzir ação penal
19:55 Assembleia aprova lei orçamentária em 1º turno
19:55 Câmara aprova recriação de Secretaria extraordinária
19:54 FEX deve ser votado hoje no Senado
19:54 Dissidentes do PSB ainda não decidiram para onde vão


19:54 Trabalhos da CPI causa desentendimento entre vereadores
19:53 Lucimar Campos tem 80% de aprovação
19:30 Lei que autoriza fechamento de ruas é aprovada na Câmara
19:30 BOA DISSONANTE
19:29 O paracetamol e os riscos à sua gravidez
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2015