Segunda feira, 16 de setembro de 2019 Edição nº 14821 16/09/2017  










ETANOLAnterior | Índice | Próxima

Preços retomam patamar de ‘entressafra’

Assim como o litro da gasolina, valor de bomba para o biocombustível registra altas desde o início do mês e chega a ser ofertado por até R$ 2,47

DINALTE MIRANDA/DC
Em setembro, os preços de bomba a R$ 2,18/2,19/2,25, deram lugar a R$ 2,37/2,39/2,47,
MARIANNA PERES
Da Editoria

Até a semana passada, Mato Grosso mantinha, conforme levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o menor preço médio ao consumidor no país, para o litro do etanol hidratado, a R$ 2,249. Porém, mesmo o levantamento sendo semanal, e atualizado todas as sextas-feiras, a Agência não conseguiu captar a mudança de preços que ocorriam no varejo local, especialmente em Cuiabá e Várzea Grande. Preços de bomba a R$ 2,18, R$ 2,19 e até de R$ 2,25, deram lugar a R$ 2,37, R$ 2,39 e até R$ 2,47, valores cobrados durante o primeiro trimestre desse ano, período observado como da ‘entressafra’ da cana-de-açúcar.

Ainda que a alta seja uma realidade para os motoristas, o avanço no valor de bomba da gasolina mantém o etanol competitivo na hora de abastecer. Conforme publicação do DIÁRIO, na edição de ontem, o valor cobrado nos postos pela gasolina atingiu recorde de R$ 4,099 para a chamada ‘gasolina comum’, em Cuiabá e Várzea Grande. Mesmo com o etanol a R$ 2,47 e considerando uma média de bomba de R$ 3,89 ao litro do derivado de petróleo, o biocombustível segue vantajoso aos motoristas. A diferença está calculadora, pois com os valores antigos do etanol e da gasolina, o preço de bomba ao etanol representava em Mato Grosso 59,32% do preço da gasolina. Agora, ele passa de 63%. O combustível de cana, por ter menor poder calorífico, tem de ter um preço limite de 70% do derivado de petróleo nos postos para ser considerado vantajoso.

Vantajoso ou não, na prática, há uma grande diferença em desfavor do bolso dos consumidores. Com o litro a R$ 2,19, por exemplo, abastecer 50 litros, a chamada ‘tanqueada’, custava R$ 109,50. Nessa semana, quem abasteceu os mesmos 50 litros, a R$ 2,47, desembolsou R$ 123,50, ou seja, R$ 14 a mais por tanqueada, pagando 12,78% mais caro.

PESQUISA - Nos levantamentos realizados pela ANP – o dessa semana não havia sido atualizado até o fechamento dessa edição – No período de um mês, os preços do etanol caíram em 12 Estados, com destaque para Roraima, com baixa de 10,45% e Mato Grosso, com queda de 7,2%, com o preço médio passando de R$ 2,424 para R$ 2,249, entre 13 de agosto e 9 de setembro.

Os maiores aumentos mensais até a semana finalizada no dia 9, foram no Rio Grande do Sul, de 2,93%, e Pernambuco, de 2,55%. Na média brasileira, o preço do médio do etanol nos postos brasileiros pesquisados pela ANP acumulou aumento de 0,15% no período de um mês.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:56 Gaeco prende militar acusado de tentar vender informações
18:55 Pedro Taques reafirma que irá concluir a obra
18:55 Neurilan Fraga pede norma para Lei Kandir
18:55 MPE defende afastamento de prefeito
18:54 Gilmar Fabris é preso e afastado da AL


18:44 Conab realiza novos leilões no Estado
18:42 Potencial é oportunidade de renda
18:42 Incertezas junto sobre a JBS voltam atingir mercado
18:41 Plantio autorizado a partir de hoje
18:41 Preços retomam patamar de ‘entressafra’
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018