Terça feira, 23 de abril de 2019 Edição nº 14820 15/09/2017  










Anterior | Índice | Próxima

Luiz Fux não aceita afastar prefeito Emanuel Pinheiro

Da Reportagem

O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (PMDB) foi um dos alvos da Operação Malebouge, desencadeada pela Polícia Federal na manhã desta quinta-feira (14). Os agendes fizeram uma devassa na residência e no gabinete do peemedebista no Palácio Alencastro em cumprimento a mandados de busca e apreensão expedidos pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux.

Foram apreendidos uma série de documentos, bem como equipamentos eletrônicos como computadores e celulares. A ação foi acompanhada pelo procurador da república Gustavo Nogami.

Conforme o delegado Murilo Gimenez, na casa do peemedebista foram confiscados dois computadores e um telefone celular, além de alguns documentos. Já na Prefeitura foram apreendidos CPUs e documentos que estavam no gabinete de Emanuel, no sétimo andar do Palácio Alencastro.

A Procuradoria Geral da República chegou a requerer o afastamento do prefeito do cargo. O pedido, entretanto, foi negado pelo ministro tendo em vista que os fatos relatados dizem respeito ao período em que Pinheiro exercia o cargo de deputado estadual e não de chefe do Executivo Estadual.

Por meio de nota, Pinheiro comemorou a decisão do ministro que optou por negar seu afastamento. “O prefeito Emanuel Pinheiro tem também o mesmo entendimento, tanto que vem tratando o assunto como uma questão de ordem pessoal, que cabe a ele cuidar enquanto pessoa física e não como mandatário da Capital. O prefeito também entende que o inquérito judicial é o instrumento adequado para apurar e restabelecer a verdade”, diz trecho da nota.

O ex-governador Silval Barbosa (PMDB) afirma que o prefeito foi um dos deputados estaduais que receberam propina durante a sua gestão. O atual chefe do Executivo da Capital ocupou uma cadeira na Assembleia Legislativa entre os anos de 2010 a 2014, período em que o peemedebista esteve à frente do Palácio Paiaguás.

Em delação premiada firmada junto a Procuradoria Geral da República (PGR), o peemedebista apresentou uma gravação em vídeo onde aparece o ex-deputado recebendo dinheiro e o guardando em seu paletó. O fato teria ocorrido entre 2012 e 2013.

O dinheiro foi entregue por Sílvio César Corrêa Araújo, ex-chefe de gabinete de Silval e seu braço direito no governo. Conforme o ex-governador, o pagamento era uma espécie de "mensalinho", o qual era pago a diversos parlamentares para garantir apoio ao seu governo.

Na delação, Silval afirma que cada parlamentar recebia cerca de R$ 600 mil para não fiscalizar as obras do MT Integrado. À Procuradoria Geral da República, o peemedebista revelou que se comprometeu a repassar aos deputados entre 3% e 4% de um total de R$ 400 milhões. As obras do MT Ingegrado estavam orçadas em R$ 1,4 bilhão com a promessa de interligar, com malha asfáltica, os 141 municípios mato-grossenses.

De acordo com Silval, o esquema de pagamento aos deputados já estava em vigor na gestão do hoje ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), que o antecedeu no governo do Mato Grosso.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:56 Gaeco prende militar acusado de tentar vender informações
18:55 Pedro Taques reafirma que irá concluir a obra
18:55 Neurilan Fraga pede norma para Lei Kandir
18:55 MPE defende afastamento de prefeito
18:54 Gilmar Fabris é preso e afastado da AL


18:44 Conab realiza novos leilões no Estado
18:42 Potencial é oportunidade de renda
18:42 Incertezas junto sobre a JBS voltam atingir mercado
18:41 Plantio autorizado a partir de hoje
18:41 Preços retomam patamar de ‘entressafra’
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018