Terça feira, 20 de agosto de 2019 Edição nº 14820 15/09/2017  










JBS/DELAÇÃOAnterior | Índice | Próxima

PGR sabia de elo Miller-delatores

ANDREZA MATAIS e VALMAR HUPSEL FILHO
Da Agência Estado – Brasília

A Polícia Federal viu indícios de que o gabinete do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, tinha conhecimento de que o ex-procurador Marcello Miller atuava de "forma indireta" nas tratativas que resultaram no acordo de colaboração premiada firmado pelos principais executivos do Grupo J&F. Em nota, a PGR disse que a informação não procede.

As evidências apontadas pela PF são trocas de mensagens encontradas no celular do empresário Wesley Batista, preso nesta quarta-feira, 13. São diálogos entre executivos da J&F, seus advogados e Miller.

Em uma delas, de 5 de abril, data em que foi publicada no Diário Oficial da União a exoneração de Miller do Ministério Público Federal (MPF), uma das advogadas da J&F fala sobre a viagem que ele faria no dia seguinte para tratar do acordo de leniência do grupo nos Estados Unidos. Em determinado momento, a advogada se diz surpresa ao perceber que, naquele dia, o chefe de gabinete de Janot, Eduardo Pelella, já sabia que Miller atuaria para a JBS no exterior.

"Tais mensagens revelam que membros da Procuradoria-Geral da República tinham ciência de que Marcello Miller estava atuando de forma indireta nas negociações da delação premiada no dia seguinte à sua saída efetiva do órgão", diz o documento enviado pela PF à Justiça Federal de São Paulo. A informação foi revelada pela revista Veja.

Segundo a PF, Miller já fazia parte do grupo de WhatsApp em que estavam executivos e advogados da J&F, desde o dia 31 de março. O então procurador, no entanto, só publicou a primeira mensagem em 4 de abril, último dia de trabalho no MPF. Ele faz referência a ligações que fez na véspera para os Estados Unidos para tratar de interesses da J&F.

Segundo os investigadores, as mensagens no celular de Wesley indicam que Miller já atuava pela J&F antes do dia 17 de março. Neste dia, Wesley Batista pergunta ao advogado Francisco de Assis se Miller poderia participar de uma reunião em Brasília. "Amanhã ele tem expediente no atual emprego dele e ele não pode, não", respondeu Assis. Naquele dia, Miller trabalhava no MPF no Rio. Ele pediu exoneração no dia 4 de março, que só foi efetivada em 5 de abril.

Em nota, a PGR disse desconhecer o teor do relatório e afirmou se tratar "de conversas de terceiros fazendo suposições". "Os integrantes da equipe do procurador-geral da República só foram informados da participação do ex-procurador da República Marcello Miller nas negociações sobre o acordo de leniência depois de sua exoneração, quando este participou de reunião com esta finalidade no dia 11 de abril", disse a nota.

Em outro documento, a Polícia Federal viu indícios da prática do crime de corrupção passiva cometido por Miller quando ainda estava na PGR. Segundo a PF, o então procurador, em razão do cargo público que ocupava, orientou os donos da J&F a obter melhores condições nos acordos de colaboração premiada.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:56 Gaeco prende militar acusado de tentar vender informações
18:55 Pedro Taques reafirma que irá concluir a obra
18:55 Neurilan Fraga pede norma para Lei Kandir
18:55 MPE defende afastamento de prefeito
18:54 Gilmar Fabris é preso e afastado da AL


18:44 Conab realiza novos leilões no Estado
18:42 Potencial é oportunidade de renda
18:42 Incertezas junto sobre a JBS voltam atingir mercado
18:41 Plantio autorizado a partir de hoje
18:41 Preços retomam patamar de ‘entressafra’
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018