Quinta feira, 22 de agosto de 2019 Edição nº 14806 24/08/2017  










CENÁRIOAnterior | Índice | Próxima

Com inflação baixa, mercado fala em Selic na casa dos 6%

Da Agência Estado - São Paulo

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) surpreendeu em agosto e reforçou a percepção dos analistas de que o processo de desinflação segue disseminado no Brasil, abrindo espaço para o Banco Central cortar os juros novamente em 1 ponto porcentual na reunião de setembro do Comitê de Política Monetária (Copom). Nesse cenário, aumentam as chances de uma Selic mais próxima a 7% no final do ano e já há quem fale na taxa caindo para a casa dos 6%.

O IPCA-15 subiu 0,35% em agosto (após cair 0,18% em julho), abaixo do esperado pelo consenso do mercado, que previa aumento de 0,40%. Nos 12 meses encerrados em agosto, o índice acumula elevação de 2,68%, arrefecendo de 2,78% no período finalizado em julho. Para a Capital Economics, o índice pode estar muito perto de atingir seu piso, mas o IPCA seguirá comportado nos próximos meses e bem abaixo da meta do BC, de 4,5%.

Nesse cenário, a continuidade do processo de desaceleração inflacionária reforça o espaço para o BC cortar a Selic até 7% este ano ou mesmo abaixo disso, se as leituras do IPCA continuarem a surpreender, avalia o economista Daniel Gomes da Silva, do Modal Asset Management. A Infinity Asset já fala em juros caindo para 6,5% em 2018 caso ocorra aprovação da Taxa de Longo Prazo (TLP) no Congresso, alguma versão da reforma da Previdência seja aprovada, a inflação continue comportada e a confiança dos agentes não se deteriore, segundo o economista-chefe da gestora, Jason Vieira.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:18 Saúde e Segurança mostram dificuldades
18:49 Maggi critica Governo Bolsonaro
18:49 BOA DISSONANTE
18:48 O ônibus, o sequestro e a segurança
18:47 Reflexões da vida


18:47 Um espetáculo atrás do outro
18:47 A complexidade do saneamento
18:46
18:46 Ingerências preocupantes
18:45 Biógrafo de Roberto Marinho terá que devolver R$ 200 mil à Companhia das Letras
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018