Segunda feira, 16 de setembro de 2019 Edição nº 14806 24/08/2017  










CHEQUES SEM FUNDOSAnterior | Índice | Próxima

Devoluções recuam em julho no Estado

MARIANNA PERES
Da Editoria

O percentual de devoluções de cheques pela segunda vez por insuficiência de fundos no mês de julho, em Mato Grosso, foi de 2,13% do total de cheques compensados, ou seja, para cada 100 desses documentos, pouco mais de dois deles retornaram por falta de saldo na conta corrente dos emissores. O Indicador Serasa Experian de Cheques Sem Fundos, divulgado ontem, mostra que o volume de devoluções reduziu em comparação ao contabilizado em junho, 2,15% e recuou ainda mais na comparação anual com julho de 2016, que conforme a entidade fechou com 2,73% de cheques não compensados por insuficiência de saldo.

No Brasil, a média de julho foi de 1,93% em relação ao total de cheques compensados. Assim como o registrado em Mato Grosso, o percentual nacional sofreu queda em relação ao mesmo período do ano anterior, quando registrou-se 2,26% de devoluções, e é o menor já registrado para o mês de julho desde 2010, quando o percentual era de 1,74%.

Na Região Centro-Oeste, a devolução de cheques em julho foi de 2,46% do total de cheques compensados, maior que a devolução de 2,33% registrada em junho. Em julho do ano passado, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos na região havia sido de 2,99% do total de cheques compensados.

No acumulado do ano, de janeiro a julho, Mato Grosso soma 2,47% de devoluções, sendo o terceiro maior volume registrado no período, no Centro-Oeste, onde a maior inadimplência com este meio de pagamento está no Distrito Federal, 3,39%, seguido por Goiás, 2,57%, Mato Grosso, 2,47% e Mato Grosso do Sul, 2,34%. Em relação ao ranking nacional dos 26 estados mais o Distrito Federal, o Estado ocupa a 18ª posição.

De janeiro a julho de 2017, entre as regiões do país, a liderança de devoluções foi da região Nordeste, com 5,44% de cheques devolvidos. O Sul apresentou o menor percentual de devoluções no período: 1,77%.

Já entre os estados, o Amapá segue na liderança do ranking de cheques sem fundos entre janeiro e julho de 2017: foram 20,61% de cheques devolvidos. Na outra ponta, Paraná e Santa Catarina tiveram o menor percentual de devoluções: 1,71%.

BRASIL - Segundo os economistas da Serasa Experian, a queda da inflação, das taxas de juros e a entrada dos recursos do FGTS na economia são elementos que contribuíram “para termos o menor patamar de inadimplência com cheques dos últimos sete anos para o mês de julho”.

No acumulado do ano, de janeiro a julho, a porcentagem de cheques devolvidos no país, em relação aos compensados, foi de 2,10%, menor que a devolução de 2,39% registrada em no mesmo período de 2016.

Em julho, foram 792.588 cheques devolvidos e 40.971.006 cheques compensados. O mesmo período do ano anterior totalizou 1.042.209 cheques devolvidos e 46.134.886 cheques compensados. No acumulado do ano, de janeiro a julho, foram 6.118.323 cheques devolvidos e 291.267.042 compensados.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




18:02 BOA DISSONANTE
18:01 Taques se preocupa com contas na AL
18:00 o Senado Federal e a ditadura do STF
18:00 Deputado é cidadão! Até que ponto?
17:59 O secretário e a arena


17:57
17:57 Resistência à CPMF
17:56 A história secreta de uma indústria pop
17:56 Com novo livro, Pondé diz que modernidade é como adolescente que julga mãe
17:55 O nome dela é Gal
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018