Quinta feira, 14 de dezembro de 2017 Edição nº 14798 12/08/2017  










ARAPONGAGEMAnterior | Índice | Próxima

Ex-chefe da Casa Civil já está solto

Ministro do STJ diz que desembargador Perri ‘extrapolou’ ao mandar prender Paulo Taques

DINALTE MIRANDA/DC
O ex-secretário Paulo Taques deixou ontem o Centro de Custódia de Cuiabá
KAMILA ARRUDA
Da Reportagem

Após passar sete dias detido no Centro de Custódia de Cuiabá, o ex-secretário chefe da Casa Civil Paulo Taques deixou a prisão na tarde desta sexta-feira (11). Ele é acusado de participar do esquema de grampos ilegais no âmbito da Polícia Militar de Mato Grosso,

A decisão pela soltura foi proferida na noite da última quinta-feira (10) pelo ministro Reynaldo Soares da Fonseca, do Superior Tribunal de Justiça, que acolheu o pedido de habeas corpus impetrado pela defesa do ex-secretário.

O alvará, por sua vez, foi assinado apenas no início da tarde de ontem (11), uma vez que o judiciário estava trabalhando em regime de plantão devido ao ferido do dia do Advogado. Além do mais, telegrama com a ordem de soltura chegou ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso apenas no final da manhã de sexta.

Paulo Taques teve a sua prisão preventiva decretada na semana passada pelo desembargador Orlando Perri, responsável pelos processos que envolvem os casos de interceptações telefônicas ilegais.

Ao conceder o habeas corpus ao ex-secretário, o ministro do STJ apontou uma série de falhas na decisão de Perri, que decretou a prisão de Paulo Taques. Para ele, o desembargador “extrapolou” em seu despacho.

Umas das falhas apontadas está no fato do Ministério Público Estadual não ter emitido parecer a cerca do pedido de prisão preventiva, feito pelo delegado Juliano Carvalho.

Além do mais, o crime de grampos ilegais possui pena máxima de quatro anos, o que não justifica a reclusão. “A prisão preventiva é inviável, tendo por pressuposto essa imputação. Com efeito, tal crime possui pena máxima cominada de 4 anos e não se subsume a nenhuma das hipóteses de admissão da prisão preventiva, previstas no art. 313 do Código de Processo Penal”, assinala.

Diante disso, o ministro do STJ entendeu que a prisão pode ser substituída por medidas cautelares. “Recorde-se, por oportuno, que a prisão provisória é medida excepcional, reservada para os casos de absoluta imprescindibilidade, demonstrados os pressupostos e requisitos de cautelaridade”.

Entre as medidas impostas ao ex-secretário está o comparecimento mensal em juízo; a proibição de deixar Cuiabá e o país sem autorização judicial; proibição de adentrar a diversos órgãos públicos, como a governadoria, Casa Civil, Casa Militar, Secretaria de Segurança Pública, entre outros; e proibição de se comunicar com membros do Serviço de Inteligência do Estado.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto

· O Paulo Taques pode estar solto, não mui  - JOSÉ RIBEIRO DA SILVA




19:37 Eduardo Botelho defende fim do foro privilegiado
19:37 Federal cumpre mandados em endereços de José Riva
19:36 Lucimar Campos diz que pesquisa mais a estimula
19:36 Senador aprova liberação do FEX para os Estados
19:36 Naco abre inquérito contra Silval e Savi


19:35 Emanuel Pinheiro tem reprovação de 61%
19:22 STF: 5 a 4 para vetar revisão de prisão
19:22 BOA DISSONANTE
19:21 Sem anistia e sem ‘bem-estar’?
19:21 O penhasco, a cabana e a previdência
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2015