Segunda feira, 20 de novembro de 2017 Edição nº 14777 15/07/2017  










SEM RENTABILIDADEAnterior | Índice | Próxima

Cenário aponta redução da produção nacional de grãos

Da Redação

A produção de grãos na safra 2016/17 pode chegar a 237,2 milhões de toneladas, com um aumento de 27,1% ou 50,6 milhões de toneladas frente as 186,6 milhões de t da safra passada. Os dados são da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Apesar de o cenário ainda ser de grande volume de produção, em médio e longo prazo a tendência é de contração e redução da atividade agrícola brasileira. O alerta é do presidente da Aprosoja Brasil, Marcos da Rosa.

Segundo ele, uma série de situações comprova esta tese, a começar pela redução do volume de crédito rural disponibilizado pelo governo federal para a safra. A safra 2016/17 contou com R$ 161,3 bilhões para custeio, investimento e comercialização, 5,4% a menos do que os R$ 165,9 bilhões da safra 2015/16. “O governo federal já deu sinais claros de que vai começar a cortar equalização de recursos, tendo em vista, principalmente, a PEC do teto de gastos da União”, afirma.

Outro fator importante apontado pelo presidente da Aprosoja Brasil é o ciclo de queda do preço das commodities agrícolas. Neste cenário, a oferta acompanha a tendência e cai, e assim os preços devem se regular.

Marcos da Rosa diz ainda que a regulamentação do Código Florestal tende a reduzir a área plantada ao passo que a sociedade e a indústria pressionam pela moratória da soja no bioma Cerrado. “O Ministério do Meio Ambiente vai também regulamentar o Programa de Regularização Ambiental das propriedades. Vale lembrar que Mato Grosso é campeão na indicação de produtores no Cadastro Ambiental Rural que querem se regularizar”, comenta.

O presidente da Aprosoja acrescenta que exigências para financiamento dos produtores rurais estão sendo aumentadas, restringindo o acesso a financiamentos para o plantio da safra.

“O cenário aponta para redução da área e redução da produção. O celeiro do mundo está ameaçado. A comida pode ficar mais cara para o consumidor e os mercados externos terão de disputar nossos produtos. Para os produtores pode ser positivo. A oferta vai ser limitada e os preços vão subir”, afirma.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:19 Estado consulta União sobre prazo
19:19 Aliados de prefeito confirmados em CPI
19:18 Ferramenta permitirá cidadão controlar gastos públicos
19:18 Inquérito de conselheiros do TCE vai para o STJ
19:18 Estado economizou R$ 1 bilhão em gastos


19:17 Dinheiro do FEX pode atrasar, diz Wellington Fagundes
19:17 Governo estuda ‘revender’ dívida
19:09 Bosaipo é condenado a 18 anos
19:09 BOA DISSONANTE
19:08 Família: a construção da vida
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2015