Sexta feira, 20 de setembro de 2019 Edição nº 14760 22/06/2017  










CRISE NA SAÚDEAnterior | Índice | Próxima

Pedro Taques critica deputados federais

Governador defende remanejamento de R$ 82 em emendas federais para amenizar a crise na saúde do Estado, deputados são contra

PABLO RODRIGO
Da Reportagem

O governador Pedro Taques (PSDB) criticou os deputados federais contrários ao remanejamento dos R$ 82 milhões em emendas federais para amenizar a crise na saúde do Estado com os atrasos nos repasses aos Hospitais Regionais, filantrópicos e municipais.

Enquanto não se chega a uma definição, o governo vem buscando achar outras saídas, como PEC do Teto dos Gastos que deverá ser encaminhada ao Legislativo já na próxima semana.

De acordo com Taques, essa resistência é apenas da oposição. \"Os deputados da oposição que estão contra. (...) causa-me espécie que deputados que estão com mandato há muito tempo e nunca fizeram nada e que agora estão preocupados. E que bom que estão preocupados, antes tarde do que nunca\", disse o governador nesta quarta-feira (21) em entrevista no Palácio Paiaguás.

Na semana passada, os deputados federais Valtenir Pereira (PMDB), Carlos Bezerra (PMDB) e Ságuas Moraes (PT) se posicionaram contrários a ideia de usar as emendas que foram destinadas para o equipamento do novo Pronto-Socorro de Cuiabá.

Porém, deputados federais que estão na base de apoio do governo tucano também se colocaram contrários ao uso da emenda coletiva da bancada mato-grossense no valor de R$ 80 milhões para a área da saúde a fim de ajudar o governo do Estado a quitar dívidas com hospitais regionais.

Para o deputado federal Ezequiel Fonseca (PP), a medida só seria possível se o governador se comprometesse em comprar os equipamentos para o novo Pronto-Socorro. \"Pedimos ao governador, que ficou de mandar uma planilha indicando onde vai ser usado o recurso e também um documento em que se compromete a comprar os equipamentos para o pronto-socorro quando estiver pronto\", explicou o parlamentar.

Fábio Garcia também concorda que os recursos só poderiam ser remanejados para o Estado, caso o governo fique com o compromisso de equipar o novo hospital na capital.

O deputado Adilton Sachetti (PSB) também tem demonstrando resistência em utilizar os recursos das emendas para quitar as dívidas do Estado com os municípios.

O coordenador da bancada federal Mato-grossense, deputado Victório Galli (PSC) acredita que uma possível conversão no uso da emendas, só será acatada após muita análise.

“Achamos que pela burocracia tem que começar logo a licitação para compra dos equipamentos serem concluídas até abril do ano que vem, que é quando o Pronto Socorro será inaugurado. Se passar essa quantia para o estado, de onde vai vir esse dinheiro todo?”, problematizou Galli.

Essa é a segunda alternativa do governo que vem encontrando resistência para que o Estado amenize os problemas da saúde. A primeira, da destinação dos recursos do Fundo Estadual de Transporte e Habitação – Fethab Commodities e Fethab Diesel -, também já é descartada pelo setor produtivo e por muitos da própria bancada governista na Assembleia



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




20:33 Estado reduz pauta do ICMS para algumas culturas de MT
20:33 Dólar sobe 0,26% e chega ao maior nível em mais de um mês
20:32 Novas ações de apoio a MT serão realizadas nesse mês
20:32 Confiança do empresário melhora
20:32 Mapa diz que reação não põe consumo em risco


20:31 EUA anunciam embargo à carne brasileira
20:05 Deputado Zeca Viana quer Pivetta de volta ao PDT
20:04 Ministério Público quer dólares de Pedro Nadaf
20:04 Líderes do DEM convidam deputados insatisfeitos do PSB
20:04 Tribunal de Justiça arquiva ação contra Oscar Bezerra
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018