Quinta feira, 21 de março de 2019 Edição nº 14755 14/06/2017  










Anterior | Índice | Próxima

O empurrão do agronegócio

O primeiro sinal concreto de reação na atividade econômica depois de longos e inquietantes oito trimestres de retração, garantido em boa parte pelo desempenho do agronegócio, é motivo consistente para comemorações. Mato Grosso, que é fortemente influenciado pelos resultados do campo, tem ainda mais razões para se mostrar particularmente otimista. A expansão de 1% no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro entre janeiro e março, em relação ao trimestre anterior, se deve em muito ao crescimento de 13,4% na agropecuária no período. E, quando o setor primário vai bem, sem o registro de problemas climáticos, a economia mato-grossense costuma dar um salto.

Nada garante que, com essa primeira reação positiva depois de tanto desalento, num cenário ainda de investimentos escassos e níveis insuportáveis de desemprego, o país tenha, finalmente, deixado a recessão para trás. Ainda assim, numa economia tão carente de boas notícias, os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) trazem alento para os brasileiros.

Por suas características peculiares, a economia de Mato Grosso deve ser fortemente impactada pela maior expansão da agricultura brasileira em mais de duas décadas. Na comparação com o primeiro trimestre do ano passado, a alta na produção primária brasileira foi ainda mais expressiva, graças principalmente às excelentes safras de soja, milho, arroz e fumo. No Estado, resultados dessas dimensões acenam com boas perspectivas não apenas para o campo, mas também para áreas que vão desde o frete, com o maior deslocamento de cargas, até a indústria de insumos e fertilizantes, além do comércio em geral, devido à maior procura por máquinas, implementos, veículos e toda espécie de serviço que gira em torno do agronegócio.

Os resultados positivos reafirmam a urgência de o país reconquistar um cenário de estabilidade favorável aos negócios. Os dados oficiais mostram que o nível de investimentos em âmbito nacional ainda está muito abaixo do necessário para garantir um crescimento sustentado. O país e o Estado precisam de desenvolvimento para deixar a crise no passado.



Quando o setor primário vai bem a economia mato-grossense costuma dar um salto



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:48 TSE não vê crime e mantém Temer
19:48 BOA DISSONANTE
19:47 Oh! O nome da delação é “premiada”
19:47 PEC dos privilégios
19:46 O empurrão do agronegócio


19:46 Lula não é ladrão
19:46 A Lava-Jato e a psicanálise
19:45
19:31 Coração Caipira ganhou em Porto Alegre do Norte
19:29 Cine Teatro apresenta Sonata Boêmia
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018