Sábado, 25 de maio de 2019 Edição nº 14754 13/06/2017  










JSUTIÇAAnterior | Índice | Próxima

STJ manda bloquear R$ 800 mil do ex-deputado José Riva

Da Reportagem

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) autorizou o bloqueio de bens do ex-deputado estadual José Riva (sem partido) até o limite de R$ 800 mil.

A decisão foi dada no dia 2 deste mês pelo ministro Sérgio Kukina e atendeu pedido do Ministério Público Estadual (MPE) que ingressou com recurso contra decisão do Tribunal de Justiça (TJ) em uma das ações penais relacionadas à Operação Arca de Noé.

De acordo com a denúncia do Ministério Público que originou o processo criminal, José Riva, enquanto presidente da Assembleia Legislativa, em conjunto com outros réus – entre eles o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) que atuou como primeiro-secretário do Legislativo, constituiu a empresa F.R. da Silva Comércio – ME para simular contratos com o Legislativo e assim desviar dinheiro público por meio da falsa prestação de serviços.

No recurso especial ao STJ, o Ministério Público sustentou que o Tribunal de Justiça foi “omisso” nos argumentos com que rejeitou o bloqueio de patrimônio.

O teor da decisão do ministro Sérgio Kukina ressalta que o trecho da decisão do Tribunal de Justiça que afirma não existirem elementos que comprovem que os réus estariam se desfazendo de seus bens, ou seja, agindo no sentido de frustrar uma eventual decisão de devolução de recursos ao erário, destoa da jurisprudência do STJ.

Isso porque a Corte Superior já firmou entendimento “no sentido de que o decreto de indisponibilidade de bens em ação civil pública por ato de improbidade administrativa constitui tutela de evidência e dispensa a comprovação de dilapidação iminente ou efetiva do patrimônio\" dos acusados.

Em cinco mandatos no Parlamento, Riva alternou nas funções de primeiro-secretário da Mesa Diretora e presidente do Legislativo, mantendo total influência nas despesas do poder. Atualmente, o ex-deputado já foi condenado em duas sentenças cuja soma da pena atinge 37 anos de prisão. No entanto, tem o direito de recorrer em liberdade. (RC)



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




19:48 TSE não vê crime e mantém Temer
19:48 BOA DISSONANTE
19:47 PEC dos privilégios
19:47 Oh! O nome da delação é “premiada”
19:46 A Lava-Jato e a psicanálise


19:46 Lula não é ladrão
19:46 O empurrão do agronegócio
19:45
19:31 Coração Caipira ganhou em Porto Alegre do Norte
19:29 Inscrição para gestão dos museus é prorrogada
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018