Sábado, 20 de abril de 2019 Edição nº 14751 08/06/2017  










TRANSPORTE COLETIVOAnterior | Índice | Próxima

Empresários propõe aumento de 4%; trabalhadores decidem na 6ª

JOANICE DE DEUS
Da Reportagem

Trabalhadores do sistema de transporte coletivo de Cuiabá e Várzea Grande avaliam nesta sexta-feira, em assembleia geral, a proposta de reajuste de 4% apresentada pelo sindicato patronal (STU) durante rodada de negociação realizada ontem. Caso o percentual seja rejeitado, a categoria pode deflagrar greve por tempo indeterminado a partir de zero hora de terça-feira (13), o que afetará cerca de 300 mil pessoas.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários da Baixada Cuiabana (Sintrobac), Ledevino da Conceição, até então, os empresários do setor não tinham feito nenhuma proposta de recomposição salarial. Contudo, o anseio é de que um percentual maior possa ser proposto até a assembleia, embora não haja reunião marcada para hoje ou mesmo amanhã.

“Vamos levar a proposta para avaliação da categoria na assembleia. Se não melhorar, as chances de não passar são grandes”, comentou. Com o índice proposto pelo STU, o salário de R$ 2.180,00 subiria para R$ 2.267,00, no caso dos motoristas. Os 2.500 funcionários do setor reivindicam reajuste de 15%, entre correção das perdas salariais e ganho real.

Eles também cobram a implantação de plano de saúde. Neste último caso, conforme Ledevino da Conceição, os empresários até se propuseram em atender ao pedido, mas desde que o valor seja descontado ou pago pelos próprios trabalhadores. Um dos planos propostos custaria R$ 172,00 para o funcionário.

Caso a categoria rejeite a proposta e aprove a greve na assembleia geral desta sexta-feira, o presidente do Sintrobac, explica que no mesmo dia será publicado edital informando à população sobre os motivos da paralisação, que deve começar após o prazo legal de 72 horas, ou seja, na madrugada de terça-feira.

Com data-base em maio, eles alegam que o salário está defasado e que a rotina de motorista, em meio ao trânsito caótico, faz muitos adoecerem principalmente com problemas ergonômicos e emocionais. A última greve dos funcionários do transporte coletivo ocorreu em 2015.

A reportagem do Diário procurou a assessoria de imprensa do STU para falar sobre o assunto, mas foi informada que o sindicato patronal não iria se pronunciar. Em nota divulgada na semana passada, a entidade patronal alegou que “as empresas do transporte coletivo de Cuiabá não conseguiram identificar possibilidade de reajuste do salário dos motoristas por absoluta falta de recursos a mais para bancar o custo do sistema de transporte coletivo este ano, já que também não houve reajuste tarifário”.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




20:14 A reforma da Previdência
20:13 Benefícios fiscais: concessão e requisitos
20:11 Quadro de instabilidade
20:10
20:06 Miss Brasil pode não ser realizado em 2020 por falta de acordo entre Polishop e Band


20:06 Segunda temporada da série de comédia "Samantha!", com Emanuelle Araújo, chega hoje à Netflix
20:05 Maisa estreia talk show inspirada em Hebe
20:05 Programa Mais Você estreia nova competição culinária com amadores copiando chefs famosos
20:04 Tributo ao Rei: Nando Reis lança disco que recupera músicas menos conhecidas de Roberto Carlos
20:03 Ministro chama de mordaça censura a sites
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018