Terça feira, 10 de dezembro de 2019 Edição nº 14747 02/06/2017  










ARAPONGAGEMAnterior | Índice | Próxima

Taques descarta exonerar secretários

Da Reportagem

O governador Pedro Taques (PSDB) descartou a possibilidade de afastar ou demitir o secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos, coronel Airton Benedito Siqueira Júnior, após depoimento da sargento Andréia Pereira de Moura Cardoso. O tucano destacou, durante entrevista nesta quinta-feira, que não é possível “julgar as pessoas com base em delações ou depoimentos”.

A sargento prestou depoimento espontâneo à Corregedoria da Polícia Militar do Estado na última sexta-feira (26). Ela revelou que participou do esquema de interceptações telefônicas ilegais no Estado a mando do secretário Airton Benedito Siqueira Júnior e do ex-comandante da Polícia Militar no Estado, coronel Zaqueu Barbosa, que atualmente está preso por conta de suposta participação no esquema criminoso.

Ela teria sido orientada pelo cabo da PM, Gerson Luiz Ferreira Correa Junior, que também foi preso por suspeita de participação nos grampos. Ao ser questionado sobre o depoimento da sargento, o governador afirmou que não teve acesso às declarações da PM.

Porém, ponderou ao comentar sobre as medidas que poderiam ser tomadas após o relato da policial. “Temos que entender que não podemos julgar as pessoas antes do devido processo legal. Não faço isso com base em delações, em depoimentos que são tomados, não sei em que sentido. Vamos analisar. O caso é gravíssimo e deve ser investigado como está sendo. Aliás, como fiz, recebi e entreguei ao Gaeco, imediatamente. O que o Gaeco fez não foi uma atribuição minha”, disse.

Taques descartou a possibilidade de suspender o secretário de Justiça e Direitos Humanos somente com base no depoimento de Andréia Pereira. “Suspeição é um procedimento judicial. Nem um pouco [de chance]. Não sei se eles cometeram esse fato”, mencionou.

Ele ainda assegurou que não chegou a cogitar uma possível demissão de Airton Benedito. "Em absoluto, não podemos demitir as pessoas com base em notícia de jornal”, limitou-se a comentar.

Além de Siqueira Júnior, o coronel Evandro Lesco, atual secretário-chefe da Casa Militar, foi citado nas investigações. Ele é suspeito de comprar um computador para armazenar as escutas.



Anterior | Índice | Próxima

Comentários Deixe aqui sua opinião sobre esse assunto




17:29 Deputado de MT é suspeito de viabilizar R$ 30 milhões para compra de votos no Congresso
17:29 Desembargador vota por manter vídeo como prova de compra de votos por deputado
17:29 Governo entrega 23 km da MT-020 na região de Água Fria com acesso a Manso
17:28 Na Espanha, Mato Grosso defende inclusão social para valorização da floresta em pé
17:19


17:16 Justiça arquiva denúncia contra Mauro Carvalho
17:16 BOA DISSONANTE
17:15 Do rosa ao azul, e agora?
17:15 A exclusão e o pancadão
17:14 Momentos eternizados
Cuiabá
Min: 18°
Max: 36°

TOPO | PRIMEIRA PÁGINA | ÚLTIMAS NOTÍCIAS | POLÍTICA | ECONOMIA | CIDADES | POLÍCIA | ESPORTES
BRASIL | MUNDO | DC ILUSTRADO | CUIABÁ URGENTE | EDITORIAIS | ARTIGOS | AZUL | TEVÊ | E-MAIL
Diário de Cuiabá © 2018